Mansão de Mussolini vira museu

Cinqüenta e seis anos depois da morte do líder do fascismo e ditador Benito Mussolini (1883-1945), sua mansão preferida foi aberta como um museu. A construção fica em Meldola, perto da cidade italiana de Forli, informou hoje a rádio italiana. A inauguração, realizada no dia 29, data do aniversário do "Dulce" foi assistida por 800 convidados.A mansão preserva o escritório com móveis originais e uma ampla biblioteca com edições inéditas, além do legado escrito de Mussolini e também sua cama. Entre os documentos históricos, encontram-se gravações e filmes dedicados ao ditador e também um de seus únicos retratos existentes. Além disso, podem ser vistos seus violinos, raquetes de tênis e esquis.A casa pertence agora a uma companhia formada por duas firmas e um descendente de Mussolini. Seu objetivo é facilitar a todos o acesso a um "bem histórico". Um dos empresários se autodenomina "mussolinista" e, não, fascista.Mussolini foi assassinado com sua amante Claretta Petacci, em 1945, por guerrilheiros. Um dia depois, seus cadáveres forampendurados pelos pés em uma estação de Milão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.