Clayton de Souza/AE-7/5/2009
Clayton de Souza/AE-7/5/2009

Manifesto teatral

Artistas vão se reunir hoje na sede da Funarte para pedir mais verbas e políticas

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2011 | 00h00

Depois de um breve período de calmaria, o Ministério da Cultura volta à berlinda. Desta vez, será alvo de protesto dos artistas de teatro que se reúnem hoje, a partir das 14h, na imediações da sede da Funarte em São Paulo. A mobilização, que promete ser a maior desde o início da atual gestão, pretende reunir representantes de 250 companhias da capital e interior. E também das áreas de dança, música e circo.

Curiosamente, a manifestação ocorre uma semana após o lançamento de novos editais pela Funarte. Na última terça, a entidade anunciou o investimento de R$ 100 milhões em programas de incentivo às artes. Só o edital Myriam Muniz - destinado à produção de espetáculos teatrais - teve seu orçamento aumentado de R$ 7 milhões para R$ 10 milhões. Nas áreas de dança e circo, os prêmios alcançam R$ 4, 5 milhões, cada um.

"Mas isso não resolve a situação", aponta Ney Piacentini, presidente da Cooperativa Paulista de Teatro e um dos organizadores do movimento. Para ele, a liberação recente das verbas não é mais do que uma resposta à pressão que artistas vinham exercendo sobre a entidade. "Metade dessa verba é para pagar editais do ano passado. É como se fosse um "cala boca". A gente grita e eles liberam o dinheiro. Queremos acabar com isso", diz Piacentini. "Vamos para rua porque chegou a hora dos trabalhadores da cultura perderem a paciência. Esse é o nosso lema."

Em um manifesto, que circula pela internet e pode ser lido no site www.cooperativadeteatro.com.br, os signatários pedem a revisão do corte no orçamento do MinC - que teria passado de R$ 2,2 bi para R$ 800 milhões. "É um momento de prosperidade econômica. Não há razão para se fazer um corte tão grande", comenta Piacentini.

O aumento da verba do MinC para 2% do orçamento geral da união, assim como a instituição de outros modelos de política para as artes cênicas também estão entre as reivindicações. "Defendemos políticas de longo prazo, políticas estruturantes que reflitam o acúmulo de dez anos de reflexão que temos sobre o assunto", aponta o presidente da Cooperativa Paulista de Teatro.

Antônio Grassi, presidente da Funarte, diz apoiar qualquer mobilização pela ampliação de recursos para a cultura, mas faz ressalvas ao movimento. "É saudável que os produtores culturais queiram mais recursos para a área", diz. "Mas o local para se discutir isso - tanto o aumento do orçamento quanto a aprovação de outros projetos que eles reivindicam - é o Congresso Nacional e não a Funarte."

Entre os temas levantados pelos manifestantes está a criação de programas como o Prêmio de Teatro Brasileiro. A proposta tramita atualmente no Congresso, dentro do escopo do ProCultura, projeto de lei 6.722 que institui um programa nacional de fomento e incentivo à cultura.

"O Prêmio de Teatro Brasileiro tem o nosso apoio, mas precisa ser primeiro aprovado no Congresso. Não existe nenhuma referência a algum programa que não estamos fazendo. Lançamos os editais dos quais eles estavam se queixando", comenta Grassi.

Para manter a pressão sobre o governo, os artistas já anunciaram a data de uma nova mobilização: dia 2, às 10h.

Mambembão. Além dos editais para as áreas de teatro, dança, circo, música e artes visuais, a Funarte também divulgou a intenção de retomar o Mambembão, um extinto projeto de circulação de espetáculos, que teve grande repercussão nos anos 1980. Em linhas gerais, o programa funcionava trazendo para os grandes centros do Sudeste espetáculos produzidos fora do eixo Rio-São Paulo.

De acordo com Grassi, o Mambembão já voltaria à ativa no início do próximo ano, com um orçamento de cerca de R$ 2 milhões por ano. A ideia é manter a proposta em moldes semelhantes ao projeto original. Dessa forma, produções das regiões Sul, Norte, Nordeste e Centro-oeste seriam selecionadas para se apresentar nos espaços da Funarte nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília. "E, além disso, pretendemos ampliar o prêmio Myriam Muniz de circulação, para fazer com que espetáculos circulem dentro de suas regiões."

Segundo Grassi, uma prévia do Mambembão poderá ser vista ainda neste ano. Recentemente restaurado, o antigo teatro Dulcina, no Rio de Janeiro, deve ser reaberto no próximo dia 2 com uma programação especial. Na agenda, não estão apenas atrações dos grandes centros, mas também apresentações do grupo Ponto de Partida, de Barbacena, Minas Gerais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.