Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Manhã desnecessária

Calcula-se que mais de 7 mil soldados morreram entre as 5 e as 11 da manhã em que foi assinado o armistício que acabou com a Primeira Guerra Mundial

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2020 | 03h00

Comemorou-se há pouco os 75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial e alguns meses antes o armistício que acabou com a Primeira. Representantes dos aliados, vencedores, e dos alemães, derrotados e humilhados, reuniram-se num vagão ferroviário que tinha servido a Napoleão III, perto da cidade de La Capelle, França, para tratar dos termos da rendição. Coube ao marechal Ferdinand Foch, que chefiava a delegação francesa, estabelecer as reparações que seriam exigidas dos alemães. A reunião durou toda a noite e às 5 da madrugada o documento do armistício estava assinado. 

O movimento nas áreas de combate costumava começar à luz do dia, havia tempo de sobra para fazer chegar aos oficiais nas frentes a notícia de que a guerra estava oficialmente acabada. O marechal Foch não concordou. Por um capricho sem nenhum sentido prático, apenas pelo prazer da aliteração ou por um apego impensado à exatidão militar, Foch insistiu que o armistício só passaria a valer das 11 horas do dia 11 do mês 11 do ano. Portanto, das 5 às 11 da manhã do dia 11 de novembro de 1918, a Primeira Guerra Mundial continuou embora não precisasse continuar. Calcula-se que mais de 7 mil soldados morreram entre as 5 e as 11 daquela manhã, e mais de 10 mil ficaram feridos, com gravidade variável.

A Avenue Foch é uma daquelas grandes avenidas que se encontram no “rond-point” do Arco do Triunfo, em Paris. Como são muitas avenidas e elas vêm de todos os lados, você sempre se espanta com a capacidade dos franceses de se cruzarem em torno do Arco sem se tocar ou sequer se xingar. Deve haver uma regra que dita quem tem a preferencial no emaranhado, mas ela não é evidente para quem não é francês. De qualquer maneira, a Foch é a mais elegante das avenidas, uma bela homenagem ao marechal. Pensar nos que ele matou naquela manhã desnecessária é um pouco como ficar tentando decifrar o trânsito em volta do “rond-point” e perder a paisagem, a beleza do Arco, o louvor a um herói da pátria. 

Tudo o que sabemos sobre:
Primeira Guerra Mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.