MAM mostra fotos do seu acervo

Apesar de Ivo Mesquita ter sedesligado do cargo de curador-técnico do Museu de Arte Modernade São Paulo há cerca de 15 dias, a nova exposição que ainstituição inaugura nesta quinta-feira tem curadoria assinada por elee por Margarida Sant´Anna. Trata-se da mostra Coleção deFotografia do Museu de Arte Moderna de São Paulo, comaproximadamente 100 das 600 imagens do acervo da instituição e quesão datadas desde a década de 40. Nesta quinta-feira, também, omuseu lança um livro sobre toda a coleção, publicação que contacom textos do crítico Tadeu Chiarelli e de Ricardo Mendes, e queteve coordenação editorial dos próprios curadores da exposição.Segundo Margarida, a mostra já estava agendada desde o início doano, na gestão de Ivo Mesquita. Ela ressalta que a primeira idéia,a prioridade, era fazer o livro, que seria uma forma de registrartodas as aquisições - títulos, datas, técnicas, nomes dosfotógrafos, dimensão -, apesar de contar com reproduções deapenas 150 das 600 fotografias da coleção. "Por isso, o livronão pode ser entendido como um catálogo dessa exposição, já quemuitas das imagens não estão presentes na mostra evice-versa."A coleção do MAM foi iniciada em 1980,juntamente com a 1.ª Trienal de Fotografia do museu, iniciativaque, infelizmente, foi interrompida. As duas primeirasfotografias adquiridas foram de Miguel Rio Branco, informa Margarida. Depois, a coleção só foi aumentar em 1985, quando o museu realizou a 1.ª Quadrienal de Fotografia, outra iniciativa que ficou só na primeira edição.Foi na gestão de Tadeu Chiarelli, entre 1996 e 2000, que acoleção recebeu mais incentivo, sobretudo em relação àfotografia contemporânea. A ampliação do acervo teria comoproposta comportar "um caminho plural, interessado em sublinhara presença de grandes nomes da fotografia brasileira ´pura´ eaquela ´contaminada´", como escreve Chiarelli no texto presentenesse novo livro. Por fotografia contaminada está subentendidoser aquela que mistura a fotografia com outrasmodalidades artísticas, como performances e instalações, entreoutras. Foi nessa época que a coleção recebeu obras de ClaudiaJaguaribe, Rosângela Rennó, Rubens Mano e Mauro Restiffe, porexemplo.Mais tarde, segundo Margarida Sant´Anna, a gestão de IvoMesquita teve a preocupação de incorporar, também, algumasfotografias mais "históricas". Foi nessa época que foramadquiridas obras de Thomaz Farkas e Geraldo de Barros, que,segundo texto de Chiarelli, "representam, com máxima autoridade, a melhor fotografia de caráter experimental e moderna,engendrada no Brasil, a partir dos anos 50".Para esta exposição, a primeira que mostra uma visão abrangenteda coleção abrigada na sala principal do museu, Margarida conta com novíssimas aquisições, como fotografias de Cristiano Mascaro,Amilcar Packer e Claudia Andujar.Parede - Também nesta quinta-feira será apresentada ao público a instalaçãoda artista e historiadora Anésia Pacheco e Chaves, feita para oProjeto Parede, criado por Chiarelli, e que tem como propostaocupar o espaço em frente ao restaurante do museu. A obrainédita, intitulada Entre Lençóis, é composta por objetoscomo arcos, assemblages e lençóis e tem como tema a "anemiaemocional do pós-modernismo", como diz a artista de 70 anos.Serviço Coleção de Fotografia do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Deterça, quarta e sexta, das 12 às 18 horas; quinta, das 12 às 22horas; sábado, domingo e feriado, das 10 às 18 horas. R$ 5,00(estudantes com carteirinha pagam meia/ maiores de 65 e menoresde não pagam/ grátis às terças e às quintas, após as 17 horas).MAM. Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n.º, Parque do Ibirapuera,portão 3, tel. (11) 5549-9688. Até 4/8. Abertura às 19 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.