MAM celebra os 90 anos do artista Hércules Barsotti

O Museu de Arte Moderna de São Paulo inaugura na quinta-feira, em meio aos preparativos da Bienal, uma exposição para celebrar aos 90 anos de Hércules Barsotti. Trata-se de resgatar a poética de um dos mais importantes artistas construtivos do País, que ao longo de mais de meio século de produção construiu uma poética pessoal, mas marcada pelo que acontecia ao seu redor. Ao longo das várias décadas de intensa atividade, ocorreram variações em sua expressão plástica, como a inclusão da cor em seus trabalhos, inicialmente marcados pelo preto e branco. A espacialidade e a geometria também constituem interessante tema de análise na obra do artista. Mas apesar das várias vertentes exploradas por ele desde a década de 50, o que se expressa na seleção do MAM é a coerência. "Não há racionalismo nenhum ali, mas sim uma maneira pessoal de inventar o quadro, a invenção de uma idéia que se torna sensível", resume a curadora Ana Maria Belluzzo.A exposição estabelece uma relação entre a profunda particularidade da poética de Barsotti e sua integração com o mundo a sua volta. Os trabalhos iniciais, que traduzem sua relação com o movimento neoconcreto, apresentam interessante sintonia com os de outros artistas do período, como Amilcar de Castro e Lygia Clark. No entanto, sua obra não se expandiu para além da tela. Barsotti manteve-se pintor até hoje, aprofundando seu caminho em direção à exploração das relações entre forma e cor. Hércules Barsotti - Museu de Arte Moderna (MAM), Av. Pedro Álvares Cabral, s/n.º, Parque do Ibirapuera, portões 2 e 3, tels. 5549-9688 ou 5085-1300, das 12 às 18 horas (quinta, das 12 às 22h; sábado e domingo, das 10 às 18 horas; fecha às segundas). R$ 5. Maiores de 65 e menores de 10 anos não pagam. Grátis às quintas após 17 horas, e aos domingos, o dia inteiro. Até 24 de outubro. Abre quinta, às 19h30.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.