Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Malucos e malucos

Boa parte de 60 milhões de eleitores do País não deu a menor bola para o passado ou para a ditadura

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S. Paulo

09 de maio de 2019 | 02h00

O Lula disse que o Brasil está sendo governado por um bando de malucos. Exagero, claro. É difícil associar o que acontece no Brasil hoje com qualquer atividade que lembre o verbo “governar”. A mesma coisa com o termo “bando”, que, bem ou mal, evoca algum tipo de organização. Lula também exagerou ao chamar de “malucos” os que se aproveitam da confusão para promover seus projetos políticos pessoais, e que de loucos não têm nada. No mais, o Lula tem razão.

A alusão mais precisa que Lula, talvez, procurasse para nossa situação seria a do manicômio dominado pelos pacientes. Esse sentimento de um país à deriva, sem entender seu governo e sem entender a si mesmo, é – imagina-se – quase total, mesmo entre os que bolsonaram e esperavam em vão que o “mito” começasse a atuar, nem que fosse só na escolha de um ministério menos exótico.

Um bando de malucos se apossando da administração de um país deixa o país tremebundo, mas institucionalmente de pé. Maluco se revoltando contra a instituição é outra coisa, mais grave. Não fica nem uma caneca de pé.

Os generais que ganharam uma nação de graça, sem necessidade de disfarçar farda com terno ou tanque com discurso, estão achando difícil a convivência com civis, chame-se Olavo ou não. Descobrem como eram melhores as revoluções clássicas, com tropas nas ruas.

Mas os militares não podem se queixar muito. Se a eleição do Bolsonaro provou alguma coisa – e provou várias – é que boa parte de 60 milhões de eleitores do País não deu a menor bola para o passado e os crimes das Forças Armadas brasileiras nos 20 anos da ditadura que o candidato vencedor diz que nunca aconteceu.

Papo vovô. Nosso neto de 5 anos, Davi, às vezes nos surpreende com frases enigmáticas. Para consolar um amiguinho da sua idade que chorava, o Davi recomendou: “Tire o seu coração da gaiola...”. Ninguém entendeu a frase, mas ela nos soou como grande filosofia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.