Maior atração de festival vem do Chile

"A música nova pede passagem" - é com estas palavras que Gilberto Mendes, o criador do Festival Música Nova, convida as cidades de Santos e São Paulo para a 45.ª edição do mais antigo e importante evento dedicado à música contemporânea do País. Este ano, o foco será a produção de música contemporânea nas Américas e suas influências vindas do Velho Continente. Ele ocorre simultaneamente nas cidades de São Paulo (Sesc Vila Mariana, Sesc Consolação e Auditório Ibirapuera, de 10 a 28/10) e Santos (Teatro Coliseu e Sesc Santos, até 29/10), reunindo dez atrações e workshops com músicos e compositores.

João Marcos Coelho, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2010 | 00h00

Esta edição foi aberta com um concerto sinfônico na terça-feira, em Santos, e prevê 15 apresentações até o dia 29 - apenas outros três em Santos, cidade onde nasceu, e a maioria, 12, em São Paulo.

Gilberto Mendes, do alto de seus 88 anos, assina a direção artística, comanda um colegiado de especialistas responsável pela programação, integrado por Lorenzo Mammì, Rodolfo Coelho de Souza e os maestros Luiz Gustavo Petri e Emiliano Patarra. E também lança o CD Gilberto Mendes - Vários Compositores em Um Só - Do Modernismo ao Pós-Modernismo, pelo selo Sesc, em concertos no dia 28, em São Paulo, e 29, em Santos. Trata-se de uma gravação rara, que registra pela primeira vez quatro peças do período dodecafônico do compositor.

Atrações internacionais. "Este ano, o festival comemora os 70 anos dos compositores Coriún Aharonián e Graciela Paraskevaidis, do Uruguai, marido e mulher, figuras emblemáticas da música latino-americana como idealizadores e dirigentes dos já históricos Cursos Latino-Americanos de Música Contemporânea, cursos irmãos de nosso festival, sobretudo no decorrer dos anos de chumbo das ditaduras sul-americanas", diz Gilberto Mendes. Ele se refere aos corajosos eventos musicais dos anos 60/70, núcleos de resistência às ditaduras nos dois países.

Também estarão presentes dois pioneiros das performances audiovisuais contemporâneas: os compositores norte-americanos Alvin Lucier (dias 20 e 21) e Russell Pinkston (domingo, dia 10).

Um dos mais reputados compositores contemporâneos, o húngaro Gyorg Kurtag, terá uma obra importante e recente - Fragmentos Kafka - interpretada pelo violinista mexicano Cuauhtémoc Rivera e a soprano argentina Lia Ferenese (dia 15). E o violoncelista inglês Rohan de Saran, ex-integrante do Quarteto Arditti, tocará ao lado da pianista brasileira Beatriz Alessio (dias 19 e 21).

Mas as maiores atrações do festival, sem dúvida, são o chileno Ensemble Nuevo, com músicos latino-americanos regidos por Pablo Aranda (dia 14); Continuum, de NY (dia 27); e L"Istant Donné, da França (dia 22).

Entre os destaques brasileiros estão incluídos o Ensemble Música Nova, regido pelo norte-americano Jack Fortner; e o compositor Lívio Tragtenberg com seu Do Povo ao Novo, no Parque do Ibirapuera (dia 10).

As principais atividades paralelas ocorrerão na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP): curso de música eletrônica com Russel Pinkston; palestras e workshops de Joel Sachs, Alvin Lucier, Gilberto Mendes e Lia Ferenese.

Auditório Ibirapuera.

Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº. tel. 5908-4299. R$ 10 a 20. Dom.,11 h. Sesc Vila Mariana. R. Pelotas, 141, 5080-3000. 4ª, 21 h. R$ 10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.