Magníficos hinos para anjos decaídos

Crítica: Jotabê Medeiros

O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2012 | 03h13

Dignidade e beleza. Duas palavras que Leonard Cohen pode usar com grande conhecimento de causa. As dez canções de Old Ideas vêm embebidas daquele senso de gravidade e profundidade que ele manuseia com assustadora delicadeza.

O álbum foi produzido por Patrick Leonard, Anjani Thomas, Ed Sanders e Dino Soldo. Para fazer contraponto a sua voz de barítono, ele escalou as vocalistas Dana Glover, Sharon Robinson, Jennifer Warnes e as irmãs Hattie e Charley Webb. Elas se encarregam de pintar tudo com afrescos de catedrais imensas, como se todas as canções fossem canções gospel.

Mas há uma grande variedade de ritmos - embora o balanço seja sempre o da voz gutural de Cohen. Em Come Healing, o som parece o de uma música de Natal. No blues Banjo, os vocais femininos parecem buscar efeito na música dos anos 1950. Lullaby é pura ironia: qual música de Leonard Cohen não parece uma cantiga de ninar?

Amen, hino para anjos decaídos, é uma digna sucessora do maior sucesso de Cohen, Hallellyah, transpassada por um trompete. "Diga-me de novo quando eu estiver limpo e sóbrio/ Diga-me mais uma vez quando eu puder ver através do horror".

De violões finamente dedilhados (como na funky Darkness), Cohen passa subitamente para órgãos acelerados, piano à moda stride, alternância entre interpretação a capela e arranjos barrocos. A poesia é construída com versos aparentemente simples, como é sua marca, mas que revelam grande apuro técnico e formal. E intensa radicalidade.

Show me the Place é pianística, e a voz de Leonard é colocada em um ponto à frente do instrumento, como se ele cantasse na entrada da igreja e o piano e o teclado estivessem lá no altar. Ele parece dialogar com Dylan. "Mostre-me o lugar onde a palavra se torna um homem", canta o pregador canadense.

"Uma canção opera em muitos níveis. Opera no nível de você só falar para a direção que você quer chegar, ao coração, mas também é útil para se ouvir lavando os pratos ou limpando a casa", diz Leonard Cohen. Se você for ouvir esse disco lavando os pratos, corre o risco de quebrar toda a louça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.