Leo La Valle/EFE
Leo La Valle/EFE

Maestro Zubin Mehta volta ao Brasil e comanda Sinfônica de Heliópolis

Maestro volta ao País com a Maggio Musicale Fiorentino e também comanda os músicos da sinfônica paulista, da qual é patrono

JOÃO LUIZ SAMPAIO, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2012 | 03h11

Depois das filarmônicas de Israel e Munique, o maestro Zubin Mehta volta ao Brasil com mais uma orquestra com a qual mantém relação estreita - a do Maggio Musicale Fiorentino, da qual é diretor. Com eles, se apresentou em Paulínia ontem e faz dois concertos na Sala São Paulo hoje e amanhã. Mas o maestro aproveita também a passagem pelo Brasil para comandar os músicos da Sinfônica de Heliópolis, do qual é patrono - e, mais do que isso, hoje anuncia na sede do Instituto Baccarelli algumas novidades em torno do projeto, como a contratação do violinista Julian Rachlin como regente convidado principal do grupo.

Com Rachlin e Heliópolis, Mehta vai interpretar, na quarta-feira, no Teatro Municipal, peças de Mozart (abertura de As Bodas de Fígaro), Beethoven (Concerto para Violino) e Berlioz (Sinfonia Fantástica). Com a Orquestra do Maggio Musicale, faz dois programas. Hoje, toca a Sinfonia n.º 41, de Mozart, e a Sinfonia Romântica, de Bruckner; amanhã, interpreta a abertura das Vésperas Sicilianas, de Verdi, o Capricho Espanhol, de Rimsky-Korsakov, e a Sinfonia Eroica, de Beethoven.

Sobre os projetos com Heliópolis, Mehta, que conversou por e-mail com o Estado, diz que prefere falar depois da chegada à cidade. Já sobre sua orquestra italiana, ele se diz contente com a evolução do conjunto e ressalta a história de grandes gravações feita por esses músicos, em especial no que diz respeito à ópera. Ele insiste, porém, que a música lírica convive em harmonia com a sinfônica no dia a dia do conjunto. "Um repertório influencia o outro e tenho muito orgulho do fato de que esse grupo pode tocar tudo entre Beethoven e Wagner. E, se você toca bem esses dois autores, você pode tocar qualquer coisa bem."

Em relação ao repertório dos concertos, ele relembra que Beethoven e Bruckner são dois pontos-chave do repertório sinfônico, cada um à sua maneira. A abertura de Verdi, brinca, é como um aperitivo. No ano que vem, afinal, será lembrado o bicentenário do compositor, assim como o de Wagner - além, lembra Mehta, do centenário do inglês Benjamin Britten. "Teremos de relembrar os três autores, são datas importantes. Vamos inaugurar a temporada em janeiro com A Valquíria, de Wagner, na mesma produção que fiz em Valência, com o Fura dels Baus. Já em maio, vamos inaugurar o festival do Maggio Musicale com o Don Carlo, de Verdi. E, claro, isso é apenas o ponto de partida", diz. E como define a importância dos dois compositores para a história da ópera? "Basta dizer que a ópera não seria o que é hoje sem o que eles, cada um à sua maneira, fizeram."

Zubin Mehta diz que Beethoven e Wagner são fundamentais para uma sinfônica, porque "se você toca bem esses dois autores, pode tocar qualquer coisa bem", justifica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.