Thiago Teixeira/AE
Thiago Teixeira/AE

Macumba Oswaldiana

Oficina chega ao cinquentenário revendo o legado que Oswald de Andrade deixou para o grupo

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S.Paulo

08 de agosto de 2011 | 00h00

Transformar a área ao lado do Oficina em um "teatro estádio", nos moldes das arenas gregas, é um sonho antigo de Zé Celso Martinez Corrêa. Há anos se arrastava a peleja com Silvio Santos, que pretendia erguer um shopping no local. A solução para o impasse, contudo, nunca pareceu estar tão próxima.

Veja também:

link Oficina, 50

linkTeatro Oficina é tombado pelo MinC

Agora, nas festividades de 50 anos do Oficina, o diretor só fala naquilo que chama de "troca entre terrenos". Na prática, o processo significa que o grupo Silvio Santos teria aceitado trocar o espaço que circunda o teatro - avaliado em R$ 33 milhões - por outro de igual valor em qualquer ponto da cidade. "Com a crise que está passando, ele se humanizou muito", diz Zé Celso sobre o outrora arqui-inimigo. "Nós nem imaginávamos que um dia fossemos nos tornar amigos, falar no telefone."

A ideia também ganha força com a homologação do tombamento do edifício projetado por Lina Bo Bardi. Com a resolução, não é apenas o prédio que passa a ser considerado patrimônio histórico nacional. Todo o seu entorno também fica protegido. Só falta o Ministério da Cultura ou outra esfera pública encampar a causa de Zé Celso.

Enquanto isso não acontece, ele toca as festividades do cinquentenário com um espetáculo que já é um ensaio para a nova morada. Em Macumba Antropófaga, a encenação extravasa os limites do teatro e toma o terreno vizinho como palco para uma imensa pajelança.

Em cortejo, atores e público devem percorrer ainda as ruas do Bexiga. Irão entoar o Mandu-Çarará de Villa-Lobos. Encontrar Pagu, Carlos Gomes e Dom Pedro I. Parar diante do velho TBC - Teatro Brasileiro de Comédia. "Lá, invocaremos o espírito de Cacilda Becker, que logo depois se transforma em Tarsila do Amaral", explica o diretor. Na sequência, seguem até a Rua Ricardo Batista, endereço onde morou Oswald de Andrade.

Não por acaso o escritor aparece como foco do novo espetáculo. A montagem, que já foi vista em Inhotim, MG, e na última edição da Festa Literária Internacional de Paraty, retoma o manifesto oswaldiano e todo o seu ideário. Reafirma a influência que o polêmico modernista exerceu sobre os rumos da trupe pelo menos desde 1967, com a estreia de O Rei da Vela. "Existem para nós claramente dois momentos: pré e pós O Rei da Vela", comenta o líder da Oficina Uzyna Uzona.

De fato, não é exagero dividir a trajetória do grupo em antes e depois desse encontro com o autor de Serafim Ponte Grande. Inaugurava-se ali uma nova visão de Brasil. Um teatro anárquico descrente do racionalismo e do realismo, uma audácia cênica nunca vista entre nós.

Todos os textos europeus ou norte-americanos montados desde então surgiram travestidos por um olhar absolutamente autoral e brasileiro. Devedor da poética de Oswald e da sua antropofagia. Filiado às tradições do coro grego.

A origem. Foi no número 520 da rua Jaceguai - precisamente no mesmo local onde é hoje a sua sede - que o grupo Oficina inaugurou seu primeiro teatro. Já no começo de 1961, os meninos egressos da Faculdade de Direito do Largo São Francisco anunciavam seus novos planos. A partir de sua próxima criação, deixariam a fase amadora e se tornariam profissionais.

Remodelado pelo arquiteto Joaquim Guedes, o antigo Teatro Novos Comediantes ganhou outros contornos e recebeu, em 16 de agosto, a primeira récita de A Vida Impressa em Dólar, texto de Clifford Odets que marcou a estreia de Zé Celso na direção. "Levamos oito meses para construir o teatro. Mas, no dia seguinte à abertura, a peça foi proibida e a sala fechada por não ter condições de funcionar", lembra o encenador. "O Jânio Quadros renunciou no dia 25 de agosto. Assim que ele saiu, nós voltamos. E não paramos mais."

Nessa época, encenaram textos como Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams e Todo o Anjo é Terrível, de Ketti Frings. Mas, a companhia, que surgiu para se contrapor ao "teatro burguês" do TBC e à verve política do Arena, só começou mesmo a despertar a atenção com sua versão de Os Pequenos Burgueses, de Gorki.

O lançamento de O Rei da Vela coroava essa trajetória, mas também insinuava uma radical mudança de rumo. Seu caminho não era o do realismo de Stanislavski. Nem podia ser resumido apenas ao distanciamento preconizado por Bertolt Brecht.

"A descolonização do Oficina veio com O Rei da Vela e com Roda Viva. Desde então, nós fizemos tudo por meio da leitura da antropofagia: Shakespeare, Nelson Rodrigues", diz Zé Celso. "Todas as ideias de que falamos hoje surgem quando a gente monta Oswald. A ideia de um teatro para as multidões. A noção de que o teatro não é igual à vida. O teatro é mais vida." Vida longa do Oficina.

MACUMBA ANTROPÓFAGA

Teatro Oficina

R. Jaceguai, 520, tel. 3106-2818.

Estreia 16/8, às 21h. A partir do dia 20, sáb. e dom., às 16h. R$ 50.

 

POLÊMICO, ZÉ CELSO CRITICA ARTISTAS

De Oswald de Andrade, Zé Celso não herdou apenas as ideias, mas também a propensão à polêmica. Recentemente, o diretor voltou à berlinda, insurgindo-se contra a postura dos artistas que lideravam um protesto por mais verbas para a cultura.

 

Durante a ocupação da Funarte, Zé Celso criticou o teor do documento divulgado pelo movimento, tachando-o de burocrático. Em seu blog, ele também questionou o fato de os portões da entidade terem sido fechados. "Vi o que nunca esperava ver: o prédio ocupado por artistas estava fechado com ferrolhos medievais", escreveu, despertando uma série de respostas na internet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.