MAC - USP mudança oficializada

Documento de transferência será assinado em janeiro

CAMILA MOLINA, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2011 | 03h09

A USP e o governo de São Paulo vão assinar em janeiro o termo que marcará, oficialmente, a transferência do Museu de Arte Contemporânea da universidade para o ex-prédio do Detran, no complexo do Ibirapuera. O edifício, projetado por Oscar Niemeyer, foi reformado pela Secretaria de Estado da Cultura. Ainda está indefinida a data exata do evento para a assinatura do termo de permissão de uso do prédio - será no dia 21 ou no dia 28 do próximo mês -, mas está acertado que a ocasião será marcada pela abertura da mostra O Tridimensional no Acervo do MAC, no térreo da nova sede. "A Secretaria cede o prédio e eles (USP) arcam com as despesas (do museu). Encerrou aí a questão", diz o secretário de Estado da Cultura, Andrea Matarazzo.

Foram necessários meses de negociações para que a reitoria da USP e o governo estadual entrassem em acordo. Uma polêmica que envolveu o reitor João Grandino Rodas e a criação do Clube das Arcadas em local vizinho ao ex-prédio do Detran e discussões sobre o orçamento do novo espaço do MAC atravancaram a mudança. Ao mesmo tempo, a reforma total do complexo do edifício ficou pronta apenas há cerca de 10 dias, como afirmou Matarazzo. "Ainda estamos instalando iluminação e segurança". A secretaria gastou R$ 76 milhões com a reforma, iniciada em 2008.

"A implantação do MAC na outra sede vai ser paulatina", diz o diretor do museu, Tadeu Chiarelli. "Havia a ideia de se fazer uma inauguração monstruosa, com todo o espaço ocupado", continua o diretor, frisando que o processo de ocupação gradual do complexo - com edifício e anexos e contando com uma área expositiva de 37 mil m² - será "mais franca com o público". A mostra O Tridimensional no Acervo do MAC: Uma Antologia, no térreo do prédio principal, terá 17 obras, entre esculturas e instalações datadas de desde 1947. Chiarelli estima que a partir de maio o museu comece a inaugurar sua agenda de exposições na nova sede. O ponto máximo seria, em outubro de 2012, a abertura da grande mostra com o acervo da instituição, criada em 1963.

Orçamento. Em maio, em entrevista ao Estado, Andrea Matarazzo afirmou que estava nos planos da Secretaria de Estado da Cultura fazer convênio com USP para destinar, anualmente, R$ 10 milhões para o MAC, mas a ideia foi descartada. "Vamos transferir o prédio e ponto", diz o secretário. "A universidade assume as despesas, inclusive de mobiliário", afirma Chiarelli. Entretanto, o diretor não tem ainda, por parte da reitoria, uma definição sobre o montante de recursos que será destinado para as atividades da instituição em seu novo espaço e à manutenção do complexo. "Tenho uma visão positiva. O reitor disse para eu não me preocupar", conta Chiarelli. O orçamento do MAC-USP em 2011 foi de apenas R$ 2 milhões. Estima-se que serão necessários, segundo o diretor do museu, R$ 10 milhões para a nova situação.

Durante a ocupação progressiva do complexo do ex-Detran, o MAC realizará suas atividades em seu prédio no campus da Cidade Universitária, sua atual sede (e que não deixará de pertencer ao museu). E Chiarelli acredita que até o fim de 2012 o MAC poderá devolver a área que ocupa no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Ibirapuera, para a Fundação Bienal de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.