MAC recebe hoje a sua nova sede

O destino do antigo prédio do Detran no Ibirapuera será finalmente selado. Após sucessivos adiamentos, a Secretaria de Estado da Cultura e a USP inauguram hoje a nova sede do MAC - Museu de Arte Contemporânea. Nos próximos dias, também será publicado no Diário Oficial o termo que marca, oficialmente, a transferência do edifício para a universidade. Desde 2008, a construção projetada por Oscar Niemeyer passa por reformas para abrigar a coleção do museu. A abertura da mostra O Tridimensional no Acervo do MAC: Uma Antologia marca a abertura do complexo.

MARIA EUGÊNIA DE MENEZES, O Estado de S.Paulo

28 Janeiro 2012 | 03h08

Ao contrário do previsto inicialmente, será gradativa a instalação da coleção no Ibirapuera. A atual exposição, que ocorre apenas no térreo do prédio principal, terá 17 obras. Entre elas, criações de Carlos Fajardo, Ernesto Neto e Carmela Gross. A partir de março é que a instituição dá início à sua agenda de atividades na "casa nova". "A ideia é que ele esteja em pleno funcionamento para a comemoração de seus 50 anos, em 2013", diz o secretário Andrea Matarazzo.

Atrasos e polêmicas marcaram a obra, que consumiu R$ 76 milhões. Inicialmente prevista para 2009, a reforma da construção, que é tombada nas esferas municipal e estadual, foi sendo postergada. "Realmente, a obra demorou mais do que o esperado", confirma o secretário. "Durante o processo, foi necessária a recuperação estrutural das vigas."

Também contribuíram para adiar a mudança um impasse nas negociações entre o governo e a USP. "Não houve desentendimento, mas questões burocráticas internas." Em agosto, a secretaria cogitou a transferência do prédio para a Pinacoteca do Estado. A polêmica envolvia a instalação do Clube das Arcadas - projeto do Centro Acadêmico da Faculdade de Direito da USP - em um terreno vizinho.

Os novos custos de manutenção do museu também foram motivo de desacordo entre secretaria e universidade. Chegou-se a anunciar o valor do montante a ser repassado da secretaria ao museu: R$ 10 milhões. "Agora, portanto, a ideia é a universidade custear sozinha a nova sede", acrescenta Matarazzo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.