MAC monta exposição para a SP Fashion Week

Pouco antes do desfile inaugural do estilista Ricardo Almeida, que começa às 14h30, há uma primeira tentativa de aproximar o público da São Paulo Fashion Week do essencial da arte. E não apenas da moda e de seu consumo. Uma sala de exposições, montada especialmente pelo MAC para o evento, reúne obras significativas do modernismo, do concretismo e da vanguarda, entre elas telas de Tarsila do Amaral e Geraldo de Barros, disponíveis para essa platéia durante a semana. A mostra traz ainda 23 guaches inéditos de Flávio de Carvalho, num de seus momentos como estilista, um engenheiro do corpo.A sala, no entanto, não é um lugar de passagem, tampouco está próxima do delírio das passarelas. Ou seja, o contato dessa arte ainda é restrito. Mas há uma outra forma de aproximação com a produção artística atual: o pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, internamente, foi pichado. A idéia partiu da cineasta Daniela Thomas, que vê nessa ação a possibilidade de "uma São Paulo sem vergonha". O que isso significa? "Essa é uma manifestação que também tem um lado muito criativo, embora marginal e fora da lei. A gente queria olhar para isso sem ter vergonha, de forma assumida. Acho que os pichadores têm o direito de expressar e de serem olhados como criadores. Há uma beleza nisso e, ao menos nesse espaço, não há ilegalidade", diz ela. Assim, um pouco das ruas de São Paulo estará muito presente nesta semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.