MAC garimpa acervo e expõe seleção poética

Dez artistas foram escolhidos adedo para formar a exposição Estratégias para Deslumbrar, umarealização do Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC) e doSesi. Segundo Teixeira Coelho, que está para deixar o cargo dequatro anos como diretor do museu, foi todo "um processo degarimpagem", mas o resultado foi a reunião de obras de AméliaToledo, Regina Silveira, Paulo Pasta, Ana Maria Tavares, ArthurOmar, Elder Santos, Bia Lessa e ainda uma natureza-morta deGiorgio Morandi, uma escultura de León Ferrari e um vídeoinédito de Bill Viola. Como destaque está a pintura "Verde,Vermelho e Rosa", de Volpi, abrigada na seção Obra emContexto.Com curadoria de Teixeira Coelho e do vice-diretor doMAC, Martin Grossmann, Estratégias para Deslumbrar foipensada justamente para uma cidade como São Paulo já que oobjetivo é "oferecer um espaço de recolhimento intimista",como assinala Coelho. "Em um momento em que passamos peloracionamento de luz, convivemos com violência, insegurança,Estratégias para Deslumbrar é um espaço para fugir desseclima", complementa.Para tal objetivo, é certo que os artistas escolhidosteriam de ser os que trabalham com uma estética mais poética."São poucos os artistas que estão interessados nessa estética.A maioria está mais ligada em fazer uma arte política. As obrasdessa exposição vão além do belo e do agradável. Pode-se dizerque há uma tendência para a sublimação", diz Coelho.Estratatégia - Desse modo, cada artista desenvolveu suaestratégia a partir de diferentes técnicas. Já na entrada daexposição pode-se ver o trabalho de Regina Silveira intituladoEquinócio, em versão especial feita para essa mostra. Aofundo, Ressurgências, a obra de Amélia Toledo composta porpedras de tamanhos irregulares dispostas no chão por onde oespectador pode passar.Ana Maria Tavares construiu a instalação VisionesSedantes e Paulo Pasta apresenta pinturas. De Arthur Omar foiescolhida a série de imagens do céu da Amazônia, em versãoampliada e especial para essa exposição. Elder Santos mostra orecente trabalho intitulado Memória, formado por umaprateleira com objetos e taças de cristal por onde um projetorinsere algumas imagens ao mesmo tempo em que uma música ambienteacompanha a ação.De Bill Viola, que pela primeira vez integra umaexposição no Brasil, foi escolhido o vídeo Reflecting Pool."Ele marca a história do vídeo poético", frisa TeixeiraCoelho. De todas as obras, as únicas que pertencem ao acervo doMuseu de Arte Contemporânea são a natureza-morta de Morandi e aescultura de Ferrari feita na década de 70 como homenagem a seupai.E, por fim, para abrigar a obra de Volpi exposta naBienal de 1964, o MAC alterou o nome da seção Obra em Contextopara Obra Fora de Contexto.Estratégias para Deslumbrar. De terça a sábado, das 10 às 20horas; domingo, das 10 às 19 horas. Centro Cultural Fiesp -Galeria do Sesi. Avenida Paulista, 1.313, tel. 3253-5877. Até12/6.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.