Maazel imersão em Beethoven

Maestro rege sinfonias do compositor com a OSB no Rio e em São Paulo

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2011 | 00h00

O maestro norte-americano Lorin Maazel completou 81 anos em março, com fôlego admirável. Após ocupar o posto de diretor da Filarmônica de Nova York, entre 2002 e 2009, criou um festival de óperas, o Castleton, nas imediações de Washington; e assumiu o Palau de les Arts Reina Sofia, enorme complexo musical construído em Valência. Há duas semanas, esteve no Japão e lá fez a integral das sinfonias de Beethoven - todas em um só dia, das 10 da manhã às 10 da noite.

"Eu já havia feito algo parecido há alguns anos em Londres, era um festival beneficente, em favor de um fundo dedicado à obra do compositor. Mas, desta vez, não foi em favor de ninguém não (risos), foi uma sugestão dos promotores e me pareceu interessante passar outra vez por essa experiência e compartilhá-la com um novo público", diz.

Maazel já perdeu a conta de quantas vezes regeu as sinfonias de Beethoven. Pudera. Basta lembrar que sua estreia como maestro se deu aos 8 anos, depois de um período estudando com Vladimir Bakaleinikov. Com 11 anos, já era regente convidado da Sinfônica da NBC, então um dos principais grupos dos EUA, pelos quais viajou em longas e celebradas turnês antes mesmo de completar 15 anos e começar a frequentar a Universidade de Pittsburgh.

Ao longo da carreira, ele assumiu alguns dos principais postos da música mundial, como o de diretor da Deutsche Oper, de Berlim, além de desenvolver uma relação de décadas com a Filarmônica de Viena - com a Filarmônica de Berlim, rompeu relações depois de ser preterido na escolha do sucesso de Herbert Von Karajan à frente do grupo.

Maazel é, hoje, um dos últimos representantes de uma geração de grandes regentes associados à tradição germânica de interpretação e repertório - no ponto mais alto da indústria, além dele talvez apenas Kurt Masur ocupe espaço tão importante. Conversando com o Estado, porém, ele prefere estabelecer uma relação pessoal com as sinfonias, não necessariamente vinculada a determinada tradição. "Minha história com essas obras nem sempre foi pacífica", diz. "No começo da carreira, eu não conseguia acertar as indicações de Beethoven, elas me pareciam muito complicadas e eu não encontrava, dentro de mim, ainda que o resultado musical pudesse ser positivo, a maneira certa de expressar o que sua música pedia. À medida que fiquei mais velho, e acho que isso é natural, as coisas foram se encaixando e hoje lido com essas sinfonias com bastante naturalidade. Elas estão integradas ao que sou, como músico, como pessoa, à minha mente, a meu corpo."

Para Maazel, interpretar todas as sinfonias em um ciclo como o que ele faz a partir de hoje com a OSB oferece olhares ricos sobre as obras. "É uma grande oportunidade de entrar no mundo de um gênio musical desde o começo de sua vida, ou seja, a primeira sinfonia, e acompanhar seu desenvolvimento ao longo de quase 25 anos, até a Nona. É um pouco como se Beethoven nos pegasse pelas mãos e nos levasse por meio de sua mente, sua percepção de mundo, seu processo de aprendizado. Assistir a todas as sinfonias é um jeito de aprender a ouvir sua música."

Não se trata, porém, de um caminho sem desafios. "De um lado, a grande tarefa do intérprete é ouvir o que a música diz, tocar e deixar que ela soe e passe sua mensagem. Mas, ao mesmo tempo, no caso de Beethoven, há que se considerar a importância que o não musical tinha em sua criação. Sua obra é uma porta gigante que nos leva em direção ao significado da vida, à busca de um sentido, o que marcou toda a sua carreira, assim como o desejo de transformar essa filosofia em arte, em sons. Essas sinfonias, no fundo, são como um microcosmo da vida, toda a procura de um gênio por um sentido está encapsulada aqui, no espaço de nove sinfonias."

OSB

Teatro Municipal. Praça Marechal Floriano s/nº, Rio de Janeiro, (21) 2332-9191. Hoje e amanhã, 20h. De R$ 18 a R$ 130. Até 21/8.

Sala São Paulo. Praça Julio Prestes, 16h, tel. 3223-3966. Dom., 17h. De R$ 39 a R$ 121.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.