Imagem Luis Fernando Verissimo
Colunista
Luis Fernando Verissimo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Má fase

"Rebaixamento" tem uma conotação meio fúnebre, tem não? Soa como enterro, sepultamento, algo definitivo. Claro que não é nada disso. O time que cai para a segunda divisão tem um privilégio que nenhum morto tem, o de poder voltar. O Fluminense, por exemplo, foi rebaixado até as cavernas do inferno e voltou espetacularmente, à vida e à primeira divisão. Qualquer grande clube pode ser vítima dessa maldição que ronda o mundo do futebol, que é a má fase. A terrível má fase. Quando entra numa má fase - um misterioso período da vida de um clube em que nada dá certo e os vexames se acumulam -, não há o que fazer. A má fase é como um vírus de origem desconhecida e terapia impossível que derruba grandes e pequenos do mesmo modo. A única maneira de enfrentar uma má fase é como se enfrenta uma tormenta: esperando que passe. (Tentar melhorar a administração do clube e o seu plantel também ajuda, claro.)

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2014 | 02h05

A torcida do Botafogo tem um consolo adicional para a má fase do seu time. Existe a velha máxima, dita com um certo orgulho fatalista, de que certas coisas só acontecem com o Botafogo. Não é verdade, ninguém está livre de sucumbir a fases ainda piores do que a dele - veja-se o Vasco. Mas, no caso do Botafogo, a dor do rebaixamento é atenuada pela lembrança de que o clube tem uma vocação para o drama. Viver um momento de completa descrença no time é reafirmar, ao mesmo tempo, o folclore que o diferencia de todos os outros. Assim, quanto pior for a situação do time, melhor a literatura que o cerca.

O rebaixamento fortalecerá o folclore. Sofreremos como nenhuma outra torcida, e voltaremos dos mortos em 2015 - está bem, talvez 2016 - purgados e triunfantes. E a estrela solitária se erguerá das cinzas, como já aconteceu antes, e brilhará no céu da pátria outra vez.

O começo. Leitura recomendada para os nostálgicos da ditadura: a entrevista com o historiador Pedro Henrique Pedreira Campos publicada pela Folha de S.Paulo nesta segunda-feira. Pedro Henrique é o autor do livro Estranhas Catedrais - As Empreiteiras Brasileiras e a Ditadura Civil-militar, recém-publicado. Na sua pesquisa de quatro anos para o livro, ele estudou a participação das empreiteiras no golpe de 64 e a sua relação com o governo militar que se seguiu, e os casos de corrupção, que na época eram acobertados porque não existia fiscalização, a imprensa era censurada e qualquer crítica era considerada contestação ao regime. O poder das empreiteiras, que nasceu no governo Juscelino, aumentou com seu acesso direto ao Estado ditatorial e sobreviveu ao fim da ditadura, com os mesmos maus hábitos. Pedro Henrique diz que, na era dos militares, a apropriação do Estado pelas empreiteiras era até maior do que o que está sendo revelado hoje por instituições democráticas como o Ministério Público e a Polícia Federal. Mas também reconhece que foram mantidas certas estruturas, em relação à distribuição de cargos e ao aparelhamento político, que facilitam a corrupção.

Mais conteúdo sobre:
Luis Fernando Verissimofutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.