Luz sobre a obra de Sierguéi Tretiakóv

BORIS SCHNAIDERMAN

BORIS SCHNAIDERMAN, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2012 | 04h29

O nome de Sierguéi Tretiakóv (1892-1939) soa bastante familiar para os que se dedicam ao teatro no período imediatamente posterior à Revolução Russa. Ele aparece ao lado de Maiakóvski na autoria de peças curtas de propaganda política, o famoso agitprop da época. Colaborou também com Eisenstein na elaboração da teoria da "montagem de atrações" e escreveu para espetáculos dirigidos por Meyerhold. Foi também a figura central da assim chamada literatura facta, isto é, a "literatura do fato real", que se voltava contra a ficção e advogava a utilização de materiais da vida corrente. Neste sentido, chegou a publicar livros baseados em acontecimentos do dia e que praticamente aboliam a distinção entre literatura e jornalismo. Entre as obras inspiradas nesta corrente figuram Eu Mesmo, de Maiakóvski (incluída por mim em A Poética de Maiakóvski Através de Sua Prosa, Perspectiva, 1971) e alguns livros de Víctor Schklóvski. Aliás, isto vinha de mais longe e tinha relação com afirmações de Tolstói. Poderiam se incluir entre as grandes realizações dessa tendência os contos de Isaac Bábel, certas obras de Górki e alguns textos de Vladímir Korolenko sobre os progrons na Ucrânia.

Na realidade, Tretiakóv foi o elo de ligação entre os russos e Bertolt Brecht. Há um poema do alemão, que só apareceu após a queda do Muro de Berlim, em que ele é referido como "Tretiakóv, meu mestre" e se põe em dúvida a sua atuação contrarrevolucionária, acusação que lhe custou a vida.

Aliás, assim como foi a grande fonte de Brecht a respeito do mundo cultural soviético - inclusive no que se refere à teorização de Víctor Schklóvski sobre o "efeito de estranhamento" (ostraniênie), cuja marca é evidente na estética brechtiana -, Tretiakóv traduziu para o russo e prefaciou várias peças do alemão, entre as quais a Ópera dos Três Vinténs, montada em Moscou na década de 30, com repercussão negativa.

Tendo cooperado com Maiakóvski nas revistas Lef e Nóvi Lef, foi autor de muitos poemas de propaganda política e se dedicou particularmente à poesia para crianças. A propósito, no ano passado a Cosac Naify publicou, numa edição bilíngue, seu poema para crianças Imitabichos, traduzido do russo por Rubens Figueiredo.

Nos últimos anos seu nome tem vindo à baila na Rússia e também nos países em que há grande interesse pelo acervo cultural russo. E eu pude me beneficiar dos materiais postos à minha disposição pelo incrível pesquisador Gutemberg Medeiros.

Depois de tantos anos, o que permanece em sua obra?

Os textos críticos em defesa de suas posições extremadas conservam uma vibração e intensidade envolventes, por menos que se aceitem as posições defendidas. Já as peças teatrais de tema político declarado, muito ligadas a acontecimentos da época, certamente envelheceram. Com suas personagens recortadas em branco e preto, com aquela defesa de posições de momento muito explícitas, elas têm pouco a nos dizer hoje em dia. É o caso, entre outros, de Ruge, China!, embora ele tenha dedicado alguns anos à experiência chinesa, chegando a lecionar numa universidade naquele país. Mas, ao mesmo tempo, temos de reconhecer: Tretiakóv era essencialmente um homem de teatro e nisso consiste a sua contribuição maior.

Sua peça Máscaras de Gás foi dirigida por Eisenstein, que trabalhava com Meyerhold e decidiu montá-la no próprio gasômetro de Moscou. Inspirada numa ocorrência do cotidiano, é uma peça vibrante em que se narra a tragédia do diretor do gasômetro, cujo filho morre intoxicado numa tentativa de tapar um vazamento então ocorrido.

Apesar de suas qualidades cênicas, a peça resultou num fracasso de público. Aliás, parecia algo em contrafluxo e contrastava com a propaganda ufanista dos planos quinquenais. Ao mesmo tempo, ela marca a passagem de Eisenstein do teatro para o cinema, pois um dos episódios era projetado em tela no palco.

No entanto, a obra-prima de Tretiakóv é com certeza a peça Eu Quero um Filho, que não chegou a ser encenada em vida do autor. Sua personagem central é uma jovem que fica repetindo: "Eu quero um filho. Não quero marido, não quero namorado, só quero um filho!".

A ação se passa em grande parte nas assembleias de inquilinos de um prédio (não podemos chamá-los de condôminos, pois os prédios eram propriedade do Estado). A moça apega-se a um dos inquilinos e insiste em seu propósito. "Mas, por que logo eu?", indaga o eleito. Acontece, porém, que ele tinha todas as características exigidas: o físico ideal, os antecedentes desejados e, sobretudo, era um proletário de três gerações, pelo menos. O autor chamava assim a atenção para uma das pragas daquele tempo: o surgimento de uma nova "aristocracia", os proletários por hereditariedade (assim, minha família acabou emigrando para o Brasil depois que um primo foi expulso da Escola Politécnica de Odessa por ser de origem burguesa - e os cursos universitários deviam reservar suas vagas para as famílias proletárias).

O indivíduo em questão era casado, e isto resultou numa série de quiproquós com a esposa, uma jovem que não tinha a qualificação operária da outra. O final é apoteótico: o público sobe ao palco, onde se realiza uma exposição de robustez infantil e onde estão os dois pimpolhos, filhos do inquilino em questão e de cada uma das duas mulheres.

A peça não foi aprovada para exibição e Tretiakóv acabou escrevendo uma versão mais leve, que também não chegou a ser montada: na mesma época, ele foi julgado por traição após ser preso pelo regime stalinista e condenado à morte.

Passada a reviravolta política na Rússia, a lcom elenco russo, dirigida por Robert Leach, professor da Universidade de Birmingham, Inglaterra, onde encabeçava também um grupo teatral. No prefácio à tradução britânica, ele lamenta o fato de sua apresentação russa ter sofrido cortes e conta que só pôde montá-la na íntegra justamente nessa tradução inglesa e por aquele conjunto teatral.

Realmente, a radicalidade de Tretiakóv, o seu espírito desabusado continuaram criando problemas. Nada mais característico do que a descrição caricata que faz do elevador da moradia de Brecht em Berlim: sujo, trepidante, quase desconjuntado, e que, segundo ele, seria impossível em Moscou. Algo desmentido por minha própria experiência, aliás bem posterior àqueles anos 20, isto é, depois dos tempos da maior miséria.

A sua atitude iconoclasta e radical aparece na abordagem das mais diversas questões. É muito conhecida, por exemplo, a importância que Eisenstein atribuía ao ideograma chinês e que foi decisiva em sua teorização sobre montagem no cinema. Pois bem: para Tretiakóv tratava-se apenas de manifestação do espírito aristocrático e conservador da classe superior chinesa. Em oposição a isso, defendia a iconoclastia dos estudantes chineses, seus alunos, que renegavam toda aquela herança cultural.

Realmente, considerando a situação da cultura naqueles dias, percebe-se que não havia lugar para Tretiakóv na Rússia de Stálin. Passados tantos anos, resta-nos fruir sua vibrante e corajosa obra teatral - e encarar com o devido desconto seus exageros teóricos.

Preso pelos stalinistas em 1937, acusado de ser contrarrevolucionário, ele acabaria morto pelo regime dois anos depois

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.