Imagem Vanessa Barbara
Colunista
Vanessa Barbara
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Lunáticos

Na primeira vez em que vi as luas de Júpiter, estava sozinha com meu binóculo na laje de casa. Montei um tripé, apontei para o planeta e, quando o foco enfim se estabilizou, vi quatro pontos luminosos ao redor. Quase engasguei ao me dar conta do que era. Fiquei olhando para os lados, abanando os braços e repetindo: "As luas! As luas!", mas não havia ninguém por perto. (Ou talvez tenham todos se escondido.)

Vanessa Barbara, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2014 | 02h05

Nos últimos anos, obcecada por efemérides celestes e questões de natureza intergaláctica, passei incontáveis horas esquadrinhando o céu em busca de coisas interessantes, e em geral só encontrando minúsculos cocôs cósmicos identificados como HIP 104428. (Confesso que costumo focalizar a região onde se encontra Eta Carinae, na esperança de vê-la explodir de forma gloriosamente pirotécnica, talvez em nosso derradeiro segundo sobre a Terra.)

O fácil acesso a imagens de alta resolução feitas por satélites pouco contribui para a nossa persistência nas noites mais frias. Mesmo em observações com telescópios profissionais, é de bom-tom alertar os novatos sobre a decepção que fatalmente terão, caso estejam esperando anéis em tecnicolor ou estrelas binárias dançando em espirais brilhantes ao som de Tchaikovsky.

O mundo real é bem mais opaco. A olho nu, é possível enxergar cinco planetas, mas, na melhor das hipóteses, todos se parecem com estrelas comuns. Podemos captar as cores de diferentes objetos celestes, mas o que chamamos de "supergigantes vermelhas" não passam de manchas tênues no céu.

Quem acompanhou a passagem do cometa Halley em 1986 sabe o quão distante foi a experiência de uma "cauda de luz varrendo a superfície terrestre", como se noticiou em 1910.

Pior: há vezes em que não conseguimos sequer vislumbrar borrões. É notória a triste sina de Guillaume Le Gentil, que, em 1771, tentou acompanhar o trânsito de Vênus e falhou por culpa das péssimas condições climáticas. O astrônomo abandonou tudo na Europa e empreendeu uma viagem até a Índia, onde quase que certamente testemunharia a efeméride. Dedicou onze anos à missão, foi dado como morto, perdeu a esposa e não viu nada.

Guardadas as devidas proporções, eu mesma me esforcei para ver o fenômeno na França, em 2011, sem resultados. (Estava nublado.) Também passei noites em claro, à beira da hipotermia, olhando para o horizonte gélido da Islândia, e o que vi em quase todas as ocasiões foi uma aurora boreal semelhante a nacos de nuvens encardidas. Só na última quarta-feira é que finalmente testemunhei labaredas de luz verde dançando entre as estrelas - e foi como ganhar na loteria.

São raros e breves os momentos de glória, mesmo para quem é paciente e está vestindo luvas de esqui. No resto das vezes, convém contar apenas com uma mente imaginativa e o hábito de cultivar reações exageradamente lunáticas diante de coisas que mais ninguém vê.

Tudo o que sabemos sobre:
Vanessa Barbaracrônica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.