Luma de Oliveira encarna a "deusa da luxúria"

Não há no Brasil outra mulher que goste tanto de tirar a roupa como Luma de Oliveira. Aos 36 anos, ela é capa da Playboy pela quarta vez e aparece nua em 22 páginas da edição que chega terça-feira às bancas. Clicada por J.R. Duran como a personificação da libertinagem, sentiu-se lisonjeada: "Sou apresentada no ensaio como ´a deusa da luxúria´", conta. "Se essa palavra significa a arte da sedução, fico feliz com o título." Luma já havia exercitado a luxúria ao desfilar, no carnaval deste ano, como madrinha da bateria da escola de samba Viradouro, cujo enredo eram os sete pecados capitais. O convite da revista veio logo após o desfile. "Em duas semanas eu já estava no estúdio fazendo as fotos. Comigo as coisas têm de ser bem rápidas. Me casei com o Eike (Batista, empresário) com apenas quatro meses de namoro." Em 1999, Luma chegou a assinar um contrato com a Playboy, mas desistiu de tirar a roupa a pedido do marido. Foi ele quem pagou a multa pela rescisão. Eike livrou-se de ver a mulher nua na revista, mas não pôde evitar que ela aparecesse seminua, meses depois, esfregando o chão nas páginas da Vip, retratada como uma "Amélia moderna". Também teve que conformar-se em vê-la, em fevereiro deste ano, estampada em enormes outdoors duplos, anunciando no Rio o carnaval da Viradouro. Detalhe: Luma usava apenas um lencinho no quadril. "O Eike sempre viajava para não precisar me ver sambando na avenida", conta a modelo. "Mas, pela primeira vez em 10 anos, decidiu me acompanhar ao Sambódromo. Acho que ele está aceitando melhor o meu jeito. Só topei sair na Playboy porque tive certeza de que isso não abalaria nosso casamento." O marido, zeloso da intimidade conjugal, até tentou cobrir a proposta da revista, mas Luma foi taxativa: "Disse a ele que a minha vontade não tem preço". Mas o que faz com que uma mulher bem casada - e abonada - deseje tanto despir-se para o público? "Sempre fui modelo. Adoro ser fotografada e procuro testar meus limites", explica. "Posar vestida é fácil, mas sem roupa é um desafio: é preciso ser sexy sem perder a elegância." Sexy e elegante, sim, o quarto ensaio de Luma na Playboy lembra o que Marilyn Monroe fez para a primeira edição americana da revista. E é definido pela modelo como o primeiro de gente grande: "Nos anteriores eu aparecia na praia, de pé no chão. Neste fui clicada como um mulherão, de unhas e batom vermelhos. Estou encerrando bem meu relacionamento com a revista." Isso significa então que não haverá uma quinta vez? "Sim, esse é o último ", diz Luma. Mas emenda, rindo: "Só faço planos a curto prazo, hein?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.