Lula diz que Ancinav será votada em um mês

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou hoje, que o projeto criando a polêmica Agência Nacional de Cinema e Audiovisual (Ancinav) será enviado ao Congresso dentro de um mês, ao discursar na solenidade de entrega da medalha do mérito cultural. Lula admitiu que o projeto causou muita reação e disse que ele recebeu mais de 400 emendas, por isso poderá ser remetido ao Legislativo. "O ministro Gilberto Gil (da Cultura) já apanhou o que tinha que apanhar", disse Lula, depois de apelar à classe cultural que aceite as mudanças propostas pelo projeto para adequar a política cultural aos tempos atuais. "Não queremos tirar o direito de ninguém, mas garanti-los aos que não os têm". O presidente reclamou que tem encontrado resistências por causa de costumes e de "pseudo-direitos" e, segundo ele, "tudo isso é muito complicado". Setores culturais contrários ao projeto afirmam que é uma proposta intervencionista. O presidente citou a experiência de Pelé, homenageado na cerimônia, que teve dificuldades para implantar a lei de regulamentação profissional no futebol e que leva o seu nome. Segundo Lula, todo mundo pensava que por ser uma iniciativa de Pelé, quando foi ministro, a proposta seria aprovada com rapidez pelo Congresso. "Ledo engano - as adversidades muitas vezes existem no anonimato e quando se apresenta uma proposta, por melhor que seja, que tenta mudar, ela começa a mexer com hábitos, com costumes, com aquilo que acham que é um direito adquirido", reclamou. Mais de 40 personalidades culturais foram homenageadas na entrega da medalha do mérito cultural, como escultores (Franz Krajberg), o teatrólogo Celso Martinez, além do ator Paulo José, o chargista Angeli, Caetano Veloso e produtores de cinema. Foram homenageadas promoções culturais que trabalham pela inclusão cultural e social como as Ceguinhas de Campina Grande, da Paraíba, cantoras de músicas nordestinas, Lia de Itamaracá, entre outros. O compositor João Donato fez a apresentação em piano de sua música "Paz".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.