Luis Melo chega aos palcos do Rio com 'Ausência'

Foram seis meses de preparo corporal e ensaios para que Luis Melo chegasse ao palco do teatro Sesc Ginástico, no Rio, com o solo "Ausência", da companhia franco-brasileira Dos à Deux, de André Curti e Artur Ribeiro. Um luxo numa época em que produções bem maiores estreiam após dois meses de gestação, ou menos. Para o trio, foi até pouco.

AE, Agência Estado

03 Outubro 2012 | 10h21

"Não sei trabalhar em profundidade se não for assim", diz Melo. "Acompanho o trabalho deles desde 1998 e sempre me chamou a atenção a delicadeza dos espetáculos. O teatro foi tomando um caminho grosseiro ao longo do tempo. A utilização de microfone faz isso, não se ouve a voz natural do ator. Dificilmente eu me emociono com o que vejo."

Na silenciosa poética em cartaz até domingo, não faltam elipses. O cenário, o topo de um arranha-céu, é inóspito. No centro está um personagem em estado puro de solidão, que interage com ratos, aos quais captura e mata, um peixe num aquário diminuto e um boneco, criado com restos de materiais. Uma máscara de oxigênio lhe respalda a respiração.

Os dias são doloridos. Não se veem sinais de vida. Não há comida nem contato com o que vem de fora. A água é racionada: é preciso mover uma manivela com força para que caia uma única gota. Os criadores imaginaram uma megalópole pós-catástrofe, decadente. Só o mundo interior é habitável, mas está longe de ser um lugar seguro. "É a existência comum de qualquer pessoa que tem fobias, só que exacerbada", compara Ribeiro.

Atores e bailarinos radicados em Paris desde a década de 90, ele e Curti há 15 anos desenvolvem seu teatro gestual. Neste oitavo trabalho, tiveram de praticar o desapego e sair de cena.

"Foi um desafio. A gente quis trazer o Luis Melo para a nossa linguagem, e nosso processo é longo", conta Curti. "É preciso digerir a energia da obra, e isso não se faz com pressa, não é matemático. Eu gostaria de saber como é que as pessoas conseguem!", emenda Ribeiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
teatroLuis Melo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.