Janete Longo/AE - Arquivo
Janete Longo/AE - Arquivo

Luciana Villas-Boas deixa o Grupo Record após 17 anos

Ainda não há substituto para o posto no maior conglomerado editorial do País

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

19 de janeiro de 2012 | 15h41

Há 17 anos, quando assumiu o cargo de diretora editorial da Record, Luciana Villas-Boas ouviu de Sérgio Machado que ele queria transformar sua editora, já conhecida por seus best-sellers, sobretudo os estrangeiros, em um grupo editorial eclético, com livros que compreendessem das rentáveis autoajudas à alta literatura, como são as grandes editoras internacionais. E foi o que ela fez, reconhece Machado, presidente do grupo, no dia em que anuncia que Luciana deixa a equipe em 31 de março.

Uma das marcas de seu trabalho foi a descoberta e redescoberta de autores nacionais que figurariam mais tarde em importantes prêmios literários, em alguns casos, e em outros, nas listas de mais vendidos.

Lya Luft, uma dessas autoras editadas por Luciana, interrompe por acaso a entrevista de seu editor ao Caderno 2 e leva uma bronca carinhosa. "Você é a culpada. Luciana fica lendo suas crônicas, que dizem que a gente precisa procurar a felicidade, e agora está seguindo a receita", diz Machado, provocando a autora de Perdas e Ganhos, entre outros títulos.

Os novos desafios de Luciana incluem um casamento nos Estados Unidos e a abertura de uma agência literária que terá escritório lá e no Rio de Janeiro. "Nesse caso, ela leva vantagem sobre os outros agentes brasileiros por ter trabalhado do outro lado do balcão, onde aprendeu muito. Sua experiência aqui foi valiosa e ela poderá aproveitar e trazer muito valor para seus clientes."

A data de inauguração da agência ainda não foi definida, mas a Villas-Boas & Moss Agência e Consultoria Literária pretende representar autores brasileiros no exterior, bem como garimpar novidades nos catálogos internacionais para tentar emplacá-las no mercado brasileiro. O "Moss" do nome vem de Raymond Moss, advogado especializado em propriedade intelectual.

Em e-mail enviado na manhã desta quinta-feira a autores e funcionários da Record, Luciana conta que ajudará na breve transição. Machado não vê, por ora, um substituto ao cargo. "Vou fazer desse limão uma caipirinha e aproveitar para reestruturar a empresa. Quero separar literatura nacional de literatura estrangeira, por exemplo. Por isso, talvez não tenha uma substituição, mas sim uma nova equipe." O Grupo Record conta hoje com cinco editoras - Record, Civilização Brasileira, Bertrand Brasil, Best-Seller e Verus, além de selos voltados, entre outras áreas, à literatura infantil e juvenil, autoajuda, negócios. "Luciana me ajudou muito a reposicionar a marca e a imagem da editora", comenta. "Mas não pode ser minha diretora por e-mail."

Em carta de despedida, ela escreve que, na sua avaliação, a maior contribuição que deu à empresa foi mesmo no campo da literatura brasileira: "Alegro-me quando penso que estamos prestes a atravessar uma fase auspiciosa e próspera da história literária do País. É a minha aposta, e estarei sempre com meus autores, pois quero participar da travessia. Ainda espero e hei de contribuir para essa obra, a construção de uma literatura nacional vigorosa a ser reconhecida por leitores de todo o mundo."

Consta que perder o acervo de Jorge Amado e Carlos Drummond de Andrade para a Companhia das Letras (e de autores não tão presentes em listas de compra de governo para outras editoras) foi um baque para a Record e apontado pelo mercado como uma das razões para o desgaste entre os proprietários e a diretora.

"Claro, não fiquei feliz com a saída destes autores e acho que a mudança de editora foi um equívoco. Mas faz parte do jogo. Tanto um quanto o outro vieram com suas perninhas, e aqui ficaram. Os herdeiros é que saíram. Tenho certeza de que ambos foram muito felizes aqui." Machado não culpa Luciana por isso e credita mesmo a saída dela ao momento pessoal.

Em outubro, Isa Pessoa, que desempenhava a mesma função de Luciana, mas na Objetiva, também deixou o cargo. Na época, corria no Rio a história de que elas abririam, juntas, uma agência. "Mas aí chamaria Boa Pessoa, não?", brinca Machado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.