Luciana Gimenez: desligada sim, burra não

Há dois anos e meio no vídeo da Rede TV!, Luciana Gimenez é sempre assunto na mídia, em especial por causa do relacionamento com o Rolling Stone Mick Jagger, com quem teve um filho. Mas as recentes declarações de Jagger (em que se diz arrependido do affair), Luciana, de 32 anos, se recusa terminantemente a comentar. Antes de partir para Campos do Jordão, de onde fará seu programa (de hoje a sexta) e para uma semana em um Spa em Atibaia "para perder umas banhas", a apresentadora do Superpop concedeu esta entrevista ao Estado.Você achava que um dia seria uma estrela da TV?Luciana Gimenez - Sim, porque eu gostava. Antes de trabalhar na TV gravei mil fitas, entrevistava pessoas em eventos.Qual é o seu nível de interferência na pauta do "Superpop"?Total, quando não me envolvo como deveria as coisas escapam das minhas mãos e eu me arrependo profundamente.Qual a saia-justa que você enfrentou no programa?Já tive várias. Ontem mesmo (segunda-feira) houve um desentendimento com a Lucélia Santos, que não quis ficar no programa porque não estava curtindo os outros convidados. Mas, comigo é assim, não quer falar não fala. Sou muito educada, porque acho que tenho de permanecer isenta. Sou superpop.E na vida?Todo dia tem uma saia-justa. Muita gente escreve coisas nos jornais que me chateiam. O que não gosto é quando mentem ou pegam muito no meu pé. O jornalista não pode expressar sua opinião pessoal, não pode fazer ataques porque simplesmente não gosta de mim. Mas sei que falam de mim porque sou artista, quando era modelo não tinha isso, não.As manifestações do Mick Jagger a respeito do relacionamento de vocês a magoaram?Não vou falar sobre isso, eu me recuso a falar sobre esse assunto. O que importa na minha vida é o meu filho, o resto é bobagem, nada vale. Por tudo que pode acontecer, o importante é o bem-estar do Lucas. E me esforço bastante para mantê-lo longe das fofocas, não o levo a lugares públicos. Eu sou mais reservada, caseira, porque morei na Europa muito tempo. Eu não sou marqueteira.Qual é o seu sonho na TV brasileira?Queria fazer um programa como o do Faustão, aos domingos. Queria trabalhar só uma vez por semana porque eu também sou filha de Deus.Quem você gostaria de ser?A Ophra Winfrey, uma negona poderosa, chiquérrima, milionária, inteligente.Até que ponto as alusões à sua inteligência a incomodam?Se eu fosse burra, talvez elas me incomodassem. Eu posso ser desligada, mas burra, nunca! Esse rótulo não vai colar. Se eu fosse burra eu não teria um programa. Falo francês, italiano, inglês, alemão, espanhol e inglês. Deixe-me ver, porque não sei contar muito bem: são uma, duas, três... são cinco línguas!

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.