Loyola Brandão no Estação Leitura

O escritor Ignácio de Loyola Brandão participa nessa terça-feira à noite do Estação Leitura, no Sesc Belenzinho. Desta vez, o encontro ocorre no teatro do Sesc, o que garante um número muito maior de vagas que o tradicional (são 264, em vez de 30 ou 50 de outras edições do evento).O Estação Leitura busca promover encontros entre escritores e público, com o objetivo de discutir os métodos de trabalho e a obra dos convidados.Colunista de O Estado de S. Paulo, Loyola é autor, entre outros, de O Verde Violentou o Muro, Não Verás País Nenhum e Bebel Que a Cidade Comeu. Nascido em Araraquara (SP), em 1936, trabalhou como jornalista na cidade, assinando ainda Inácio de Loiola, sem o "g" e sem o "y", no jornal O Imparcial. Mudou-se para São Paulo aos 21 anos. Começou a trabalhar como repórter de cinema no jornal Última Hora. Atualmente, dirige a revista Vogue. Vem publicando ficção, na forma de contos e romances, desde 1965. Nos anos 70, seu romance Zero, censurado no Brasil pelo regime militar, acabou sendo publicado inicialmente na Itália, para só depois chegar ao País.Para amanhã, ele não tem muitos planos sobre o debate que conduzirá. "Vou ler trechos de meu mais recente livro, O Homem Que Odiava a Segunda-Feira, e depois a gente conversa", afirmou. "Não dá para planejar muito", completa. Nessa coletânea de contos, publicada pela editora Global, as pessoas não se espantam com acontecimentos absurdos: um homem tem sua mão decepada por uma caixa de correio; um outro personagem perde sua sombra; ainda há um terceiro que acorda falando uma língua que não pode ser entendida.Segundo Loyola, o público da região leste da cidade é mais interessante que o das universidades e o do centro de São Paulo. "Quanto mais politizado ou pretensamente culto, pior, porque as pessoas fazem perguntas apenas para se mostrar; quando você fala na periferia de São Paulo, há um público que realmente quer se informar, a curiosidade é mais verdadeira." A impressão do autor vem de outras conversas de que participou na região. É a primeira vez que ele está no Estação Leitura.Assim, Loyola, por enquanto, acredita que deve ser questionado sobre métodos de criação e de organização do texto. "Em geral, é o que eles querem saber, querem entender como é que escrevemos e saber se eles também podem ser escritores, essas coisas", afirma.Ignácio de Loyola Brandão. Projeto Estação Leitura. Terça-feira, às 20h. Entrada franca. Sesc Belenzinho. Av. Álvaro Ramos, 991, tel. 0--11/6096-8143

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.