L''Oreal processa eBay por venda de produtos falsificados

A L''Oreal, maior fabricante mundial decosméticos, abriu um processo contra o eBay, alegando que osite de leilões não toma providências suficientes para combatera venda de produtos falsificados em seu sistema, anunciou ogrupo de cosméticos na segunda-feira. O processo da L''Oreal acompanha ações semelhantes movidascontra o eBay por empresas como os fabricantes de bens de luxoLVMH Moet Hennessy Louis Vuitton, e sua matriz, a Dior, bemcomo pela cadeia de joalherias norte-americana Tiffany''s. OeBay alega que toma medidas para combater todos os casos defalsificação reportados ao site pelas empresas envolvidas. "A L''Oreal vem sendo envolvida em volume crescente decomércio ilícito de fragrâncias falsificadas e cosméticosfalsos, em alguns sites de leilões online", anunciou a empresaem comunicado distribuído por email, confirmando reportagensanteriores da mídia francesa. "Consequentemente, a L''Oreal decidiu tomar medidas legaispara proteger os consumidores, preservar a qualidade de suarede seletiva de distribuição de artigos de luxo e defender areputação de suas marcas registradas", acrescentou a empresa. O jornal francês Liberation informou que a L''Oreal estimaque o prejuízo sofrido por seus negócios com a venda deprodutos falsificados no eBay "provavelmente atinja váriosmilhões de euros". A empresa informou que providências legaisforam tomadas na França, Alemanha, Reino Unido, Espanha eBélgica. "O eBay não é vítima, porque recebe comissões pelastransações realizadas e anúncios veiculados, verdadeiros oufalsos", teria dito Xavier Herfroy, o diretor de combate afalsificações da L''Oreal, segundo o jornal. Uma porta-voz da empresa confirmou a abertura de processoscontra o eBay em todos os cinco países, mas se recusou a dizerse a L''Oreal está pedindo indenização. "Não estamos autorizadosa discutir esse assunto", afirmou. O eBay France não respondeu de imediato a um email pedindocomentários. A indústria da França, com apoio do governo do país, vemcombatendo ativamente as falsificações, que custam ao setor 6bilhões de euros em lucros perdidos a cada ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.