Londres vive ousadia da Semana da Moda Alternativa

Ousadia e criatividade nos desfiles de jovens estilistas Londres é famosa pela ousadia e inovação na área de moda. E para seguir essa linha, foi criada a Semana da Moda Alternativa, que reúne os 60 melhores estudantes das escolas de design da Grã-Bretanha. A Semana já está em sua sétima edição e vai até esta sexta-feira.Os desfiles acontecem diariamente na passarela montada no mercado de Spitalfields, o centro londrino para roupas e acessórios de vanguarda.Ousar e romper com os padrões são as características mais aparentes dessa Semana da Moda Alternativa, onde vale a experimentação com novos tecidos e a ousadia com modelos gordinhas."Queremos fazer roupas que se adaptem ao corpo, que deixem as pessoas mais bonitas, e não algo em estilo maluco que quando alguém normal vai usar fica parecendo um saco vestido", diz Hannah Bettison, uma das jovens designers que mostrou sua coleção em Spitalfields.E como a idéia é sair do padrão, a escolha dos tecidos é ampla e a roupa velha aparece em muitas composições, transformada em um componente de um novo traje, reciclado e estiloso. Segundo Maggie Pinhorn, uma das produtoras do evento, a Semana da Moda Alternativa mostra a força criadora da Grã-Bretanha. "A Grã-Bretanha sempre foi conhecida pela boa moda descontraída. Nos anos 60, nós rompemos com o molde da alta costura e fomos para algo inovador, com idéias e tecidos diferentes", observa Pinhorn. "Essa é a nossa força e esta semana é para os novos estilistas, cheios de idéias e sem limites comerciais."Mas "ainda falta muito para o desfile ser interessante em termos de conteúdo das coleções. Falta mais confiança para fazer uma história dentro da moda", avalia o estilista brasileiro Fernando Viana, radicado em Londres há seis anos e que tem um estande no mercado de Spitalfields.Perfeição - Na definição da revista londrina Time Out, as coleções de Fernando Viana trazem modelos inspirados em figurinos de teatro e são como fantasias usáveis. Segundo ele, a imagem do Brasil vem crescendo no circuito internacional de moda, especialmente nos últimos quatro anos. "Isso vem melhorando cada vez mais. A São Paulo Fashion Week já está no eixo da moda, americanos e japoneses vão comprar roupas no Brasil", diz."É uma proposta nova. A Gisele Bündchen ajuda horrores, as sandálias havaianas também contribuem. Existe toda uma imagem do Brasil como uma coisa muito cool, muito nova."Segundo Viana, ele mesmo é vendido com a marca brasileira pelos agentes de moda em Londres, que estão buscando cada vez mais montar um portfólio de estilistas brasileiros. Tudo isso é por cauda do estilo do brasileiro de valorizar a beleza. "A cultura toda do corpo no Brasil, que é uma coisa muito forte, colabora muito com o nosso estilo pelo fato de que o brasileiro quer deixar a mulher mais bonita e sexy".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.