Londres vive febre de preços recordes em leilões de arte

As casas de leilão Sotheby´s e Christie´s, as duas mais importantes de Londres, bateram nesta semana valores recordes em suas vendas de arte impressionista e do século XX, que incluíam representantes importantes do expressionismo alemão e austríaco. Foram batidos dez recordes mundiais em obras de vários artistas, e as vendas das duas casas somadas chegam a 130 milhões de libras (190 milhões de euros), o número mais alto desde 1989.Segundo os analistas, a chegada de novos colecionadores multimilionários da Rússia e do sudeste asiático contribuiu para estimular o mercado.Muitos lembram do final dos anos 80, quando instituições japonesas pagaram preços exorbitantes por obras de Van Gogh, entre elas a conhecida Girassóis, embora muitos dos compradores atuais sejam realmente admiradores e não investidores.Na Sotheby´s, o quadro de Edvard Munch Dia de Verão (1904) foi vendido esta semana por 9 milhões de euros, o dobro do lance inicial. O mesmo leilão serviu para que um recorde anterior do pintor expressionista norueguês fosse batido, depois de Moças em uma Ponte, que havia movimentado US$ 7,7 milhões em Nova York.Também foi estabelecido um novo recorde com a venda de Le Boeuf Ecorché, do bielo-russo Chaim Soutine, por quase 12,5 milhões de euros.Deux femmes (Duas Mulheres), de Gauguin, vendida por 18 milhões de euros, foi classificada pela Sotheby´s como a obra mais importante do pintor francês leiloada na Europa nos últimos 15 anos.A Christie´s anunciou, por sua vez, os preços recordes alcançados na quarta-feira com a venda de obras de diversos artistas como Frank Auerbach, Georg Baselitz e Eduardo Chillida, cuja escultura em aço Elogio da Arquitetura foi vendida por 1,8 milhão de euros.Ein Roter (1966), do alemão Baselitz, também chegou a 1,8 milhão de euros no mesmo leilão. Uma obra do francês Yves Klein e uma fotografia do alemão Sigmar Polke também bateram recordes.Por Dollar Sign, de Andy Warhol, ofereceram mais de 3,7 milhões de euros, o que constitui um recorde para uma obra dessa série do artista americano, cujas pinturas referentes à compilação A Última Ceia chegaram a 3,9 milhões de euros.Poucos mais de 6 milhões de euros foram oferecidos também na Christie´s pelo retrato de Lucian Freud intitulado Homem Sentado em uma Cadeira de Vime, que igualam o recorde estabelecido pela casa de leilões em fevereiro de 2005 por outro retrato do mesmo artista intitulado Homem Ruivo Sentado.Acredita-se que por um retrato de Van Gogh na obra L´Arlesienne, de 1890, compradores possam pagar na Christie´s, de Nova York, mais de US$ 40 milhões.Em abril será vendido em Nova York um quadro pintado em Veneza pelo inglês William Turner intitulado Giudecca, A Donna della Salute and San Giorgio. Especialistas prevêem que os participantes do leilão possam fazer ofertas de mais de US$ 15 milhões.Muitos acham que a pintura poderia estabelecer um novo recorde para a obra de um artista britânico: o recorde atual pertence ao quadro The Lock (A Eclusa), de Constable, vendido em 1990 por 10,7 milhões de libras.A assessoria francesa Artprice calcula que no ano passado os leilões internacionais de arte movimentaram US$ 4 bilhões, superando os US$ 3,6 bilhões registrados em 2004.

Agencia Estado,

10 de fevereiro de 2006 | 14h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.