Londres, sempre vanguarda

O lançamento das coleções européias começaram por Londres. Palco de estilistas de vanguarda, a cidade mostrou porque é berço das tendências mais modernas e alternativas. Estavam lá nomes como Alexander McQueen, Hussein Chalaian, Arkadius, Paul Smith, Clements Ribeiro e Tristan Webber.Como sempre, McQueen, que também desenha para a maison Givenchy, deu um show à parte e foi sem sombra de dúvidas o melhor dos lançamentos, revelando facetas até então não exploradas pela moda. Sua visão é sempre provocativa, mas também mostra que é possível aliar atitude, beleza e utilidade. Para começar a locação do desfile anunciava o tom diferenciado da coleção: num depósito de ônibus o estilista produziu um cubo de espelhos através do qual as modelos eram vistas. O detalhe é quem nem as modelos podiam enxergar o público, bagunçando então a estrutura básica de uma apresentação. Os rostos foram pintados de branco e os cabelos escondidos por uma faixa de tecido. Estava montado o palco para o espetáculo.Um dos destaques foi a modelo Erin O´Connor, que usava um vestido de plumas tingidas de vermelho. As mulheres são andróginas e levam na roupa a assinatura agressiva e ao mesmo tempo delicada do estilista. Seja na alfaiataria, nos vestidos de seda ou na cartela de cores, com bastante pink, cinza, preto e cáqui. Há também metálicos, brocados e bordados mais importantes. Ao final novamente o espanto: um estouro de borboletas e larvas junto a uma modelo nua. Alastair Grant/APDesfile de Tracey BoydHussein Chalayan também convenceu, mostrando que pode ir contra a tendência reinante do punk. Sua coleção é fresca e nos remete aos anos 40. Há saias plissadas, calças de cintura baixa e vestidos rodados. McQueen e Hussein Chalayan são unanimidades, mas nomes como Arkadius despontam no mercado. O influente Jornal Herald Tribune chamou-lhe de estilista talentoso e, a partir disso, sua moda tem atraído mais olhares. Desta vez a coleção é inspirada nas suas raízes polonesas, trazendo o folk colorido como tema principal. A roupa é kitsch e explora saias na altura no joelho, jeans e tops variados.O representante brasileiro em Londres é Inácio Ribeiro, da Clements Ribeiro. Em parceria com a inglesa Susanne Clements, ele cria uma moda reverenciando os anos oitenta. A memória punk está lá em seu pleno esplendor com seus cintos largos, tops assimétricos em chiffon ou jersey, blusas drapeadas com mangas bufantes e muito cashmere. Tristan Webber, assim como a maioria dos estilistas, também retomou a década de oitenta. Sua moda remete ao imaginário de Star Trek, tendo Hong Kong como pano de fundo. Os tops de um ombro só e as jaquetas angulares são as peças chaves em cores que fugiram do comum como verde maça, azul, vermelho e amarelo. Há referências orientais nas roupas e materias que contrastam leveza e que vão do jérsei ao couro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.