Londres expõe esboços de invenções de Leonardo Da Vinci

O Museu Victoria e Alberto, de Londres, anunciou hoje que organizará uma mostra dos esboços dos inventos e criações de Leonardo da Vinci (1452-1519). Intitulada Leonardo Da Vinci: Experience, Experiment and Design, a mostra exibirá cerca de 60 desenhos e rascunhos do criador renascentista, que ficarão expostos de 14 de setembro deste ano a 7 de janeiro do ano que vem. A exposição contará com obras da Coleção Real de Elizabeth II e do British Library, como o Arundel Codex, pertencente a esta última instituição. O Arundel Codex inclui esboços criados por Da Vinci sobre máquinas voadoras, tanques e complexas armas de guerra. Um porta-voz do Museu Victoria e Alberto classificou o conteúdo dos esboços do artista como um trabalho gráfico sem paralelo com a obra de artistas da sua época. "Ninguém utilizou como Leonardo o papel como laboratório de idéias, onde deixou marcas de seus conceitos, invenções e criações das mais extraordinárias", acrescentou. O curador da mostra, o historiador Martin Kemp, afirmou que os desenhos exibidos "revelam o processo de pensamento de um gênio". Leonardo Da Vinci é considerado um dos grandes gênios do Renascimento, destacando-se como artista, inventor e descobridor. O escritor norte-americano Dan Brown escreveu, baseado na obra Mona Lisa de Leonardo Da Vinci, o best-seller O Código Da Vinci. Brown conta a história de um analista em simbologia da Universidade de Harvard que descobre uma conspiração que data de dois mil anos. O livro foi traduzido para 44 idiomas e vendeu mais de 40 milhões de exemplares pelo mundo. Brown foi acusado de plagiar, em O Código Da Vinci, a tese central do livro O Santo Graal e a Linhagem Sagrada (1982), de Michael Baigent e Richard Leigh. Na última sexta-feira, o Tribunal Superior de Londres considerou o escritor inocente. No entanto, ele pode enfrentar novo processo por plágio. Desta vez, a acusação vem do especialista em arte Mikhail Aníkin, que afirma que Brown "roubou" a sua interpretação de Mona Lisa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.