Reprodução
Reprodução

Lojas liquidam westerns cultuados

Entre eles está o filme 'A Árvore dos Enforcados', com o eterno sedutor Gary Cooper

LUIZ CARLOS MERTEN - O Estado de S.Paulo,

05 de junho de 2012 | 03h20

Fãs de westerns encontram uma série de ofertas nas lojas, para lembrar o gênero que já foi chamado de 'cinema norte-americano por excelência', mas isso foi muito antes que Portal do Paraíso, de Michael Cimino, ganhasse a fama de ter levado a empresa United Artists à bancarrota. Já que nem Clint Eastwood se aventura mais pelas pradarias do Velho Oeste, a esperança agora é Quentin Tarantino. Depois de reinventar o cinema de guerra com Bastardos Inglórios, ele conclui Django Unchained - em que Jamie Foxx, como homem livre (um escravo alforriado?), retoma a pistola de Franco Nero no spaghetti western de Sergio Corbucci.

Vários DVDs de faroestes estão sendo liquidados nas lojas (2001, Livraria Cultura, etc). Um dos melhores é A Última Caçada, de Richard Brooks, cujo centenário de nascimento foi comemorado há pouco. Outro é A Árvore dos Enforcados, de 1959. The Hanging Tree foi o último western interpretado por uma das lendas do gênero, Gary Cooper, e também o último realizado por Delmer Daves, que na sequência se voltou para o melodrama, perdendo muitos admiradores que granjeara com sua série com Glenn Ford. Daves se preocupava tanto com a verossimilhança que, na França, era chamado de 'documentarista do western'.

Existem planos que o espectador não esquece em A Árvore dos Enforcados. A árvore do título, recortada em silhueta contra o céu. Uma cena tensa que compõe vários rostos com o de George C. Scott. Em sua estreia, ele faz curandeiro que incita a multidão, numa comunidade de mineiros. A aspereza da paisagem, a intensidade dos conflitos, tudo é forte. A história é sobre garota que fica cega e é tratada por um médico da fronteira. Ele é um homem com um passado violento - que irrompe justamente por causa dela.

Gary Cooper fez grandes westerns, de grandes diretores - e ganhou seu segundo Oscar como Will Kane, em Matar ou Morrer, de Fred Zinnemann, de 1952. Matar ou Morrer beneficia-se da balada Do not Forsake, Oh My Darling, que ganhou o Oscar de canção, para criar seu clima soturno.

Outra balada, justamente The Hanging Tree, é essencial no filme de Daves, que oferece um sólido estudo do personagem de Gary Cooper. A cega é Maria Schell, atriz austríaca que ficou famosa em filmes de René Clement e Luchino Visconti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.