Loja britânica deixará de vender cama 'Lolita' para meninas

Uma cadeia de lojas varejistas britânicas suspendeu a venda de camas chamadas "Lolita", feitas para meninas de 6 anos, depois de pais furiosos terem chamado a atenção para o fato de que o nome é sinônimo de pré-adolescentes sexualmente ativas. A Woolworths disse que os profissionais que administram o Web site que vende as camas não tinham conhecimento da conexão. Em "Lolita", romance de 1955 de Vladimir Nabokov, o narrador tem um relacionamento sexual com sua enteada de 12 anos. Mas os profissionais da Woolworths não tinham ouvido falar do romance clássico, nem dos dois filmes baseados nele. Por isso, não viram nada de errado em promover a cama branca Lolita Midsleeper Combi, com armário e mesa embutidos, para meninas de cerca de 6 anos de idade, até uma mãe preocupada soar o alarme num Web site para pais. "O que parece ter acontecido é que os administradores do Web site nunca tinham ouvido falar em 'Lolita', e, para falar a verdade, ninguém mais aqui ouvira falar do livro, tampouco", disse um porta-voz a jornais britânicos. "Tivemos que procurar no Wikipedia (enciclopédia online). Mas agora sabemos quem ela foi." A Woolworths disse que o produto deixou de ser vendido.

REUTERS

01 Fevereiro 2008 | 14h54

Mais conteúdo sobre:
ODD LOJA LOLITA CAMA MENINAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.