Walter Craveiro/Divulgação
Walter Craveiro/Divulgação

Lobo Antunes opõe o açoite da morte à luz da infância

Autor português escreve o seu melhor romance em quase uma década

Vinícius Jatobá,

03 de agosto de 2012 | 20h14

Sôbolos Rios Que Vão é o melhor romance de António Lobo Antunes em quase uma década. Enxuto e ágil, retoma o elo entre a vocação lírica que ele explora com vigor desde A Ordem Natural das Coisas (1992) e a necessidade de organizar esse lirismo em redor de uma trama discernível - algo que Lobo Antunes implodiu a partir de Não Entres Tão Depressa Nessa Noite Escura (2000) e que tem prejudicado a legibilidade de seus romances.

Para além de todo o charme da escrita que abole a trama, o leitor só pode se tornar cúmplice das emoções de suas personagens se seus conflitos e desejos estiverem organizados de forma a serem apreendidos em essência. Nesse sentido, Sôbolos... é exemplar. António, o narrador, entravado na cama de um hospital após a operação para retirada de um câncer, é oprimido pelo açoite maciço da morte, que se desenha em pequenas sugestões físicas. Resta-lhe evadir para infância, na qual recobra uma longa viagem com seu pai à nascente do Rio Mondego, em cujos leitos deleitou momentos solares.

Os contrastes são magníficos: o céu claro e aberto, os espaços amplos da infância; as paredes frias do hospital, o corpo falido e roto, o lucro a conta-gotas de cada novo dia. Mesmo com sua estética narrativa fragmentada e descontínua usual, o solo fértil sobre o qual Lobo Antunes eleva Sôbolos... é patrimônio tão essencial, e estruturado de modo tão delicado e discernível que toca fundo nas experiências dos leitores.

VINICIUS JATOBÁ É CRÍTICO E FICCIONISTA

SÔBOLOS RIOS QUE VÃO

Autor: António Lobo Antunes

Editora: Alfaguara

(192 págs., R$ 29,90)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.