Livro narra saga dos dekasseguis

Um dekassegui resolveu escrever suas peripécias no Japão, onde trabalhou duro por alguns anos. Assim nasceu o livro Um Mundo Paralelo - A vida da comunidade brasileira de Oizumi, Japão, de Masayiuki Fukasawa. O livro mostra os sofrimentos, as tristezas, angústias e alegrias dos dekasseguis brasileiros no Japão. Muitos destes dramas são comuns e universais aos emigrantes, que por variadas circunstâncias, são obrigados a ganhar o seu sustento em terras desconhecidas. Eles remetem bilhões de dólares anuais para o Brasil, para ajudar os seus familiares e, indiretamente, o País.As informações foram levantadas por Masayiuki Fukasawa, um jornalista e sociólogo japonês que morou no Brasil. Ele voltou à sua terra natal, juntamente com sua esposa, como dois dekasseguis, e viveu por mais de três anos e meio entre eles, trabalhando e residindo em Oizumi, considerada a "cidade dos brasileiros". O livro será lançado durante o Simpósio Internacional de Direito Comparado: Trabalhadores Brasileiros no Japão, que será realizado entre 26 a 29 de agosto, na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, uma realização do Instituto de Direito Comparado Brasil-Japão, que discutirá estes e outros assuntos. O livro foi editado no País pela Editora Topbooks, tem 216 páginas, e custa R$ 25,00.Publicada originalmente em japonês, pela Editora Ushio, no Japão, a obra já mereceu dois prêmios literários: melhor livro na categoria não-ficção do concurso Ushio, em junho de 1999, e o prêmio Literário da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa, em outubro de 2000. Foi atualizado e adaptado para os leitores brasileiros, incluindo até as comemorações do pentacampeonato da seleção brasileira entre os dekasseguis no Japão.Conflitos e dificuldades - Ainda que as dificuldades destes brasileiros no exterior sejam tremendas, depoimentos a Masayiuki sugerem que na sua volta ao Brasil, a readaptação de dekasseguis é mais dramática ainda. E os problemas parecem perseguir também seus filhos, por muitos anos, dadas as diferenças dos sistemas educacionais. O livro mostra que o número dos descendentes destes dekasseguis brasileiros que não freqüentam regularmente escolas é grande. Os problemas na área da saúde e da previdência são imensos, e os desarranjos conjugais de membros separados pela distância, incontáveis.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2002 | 18h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.