Livro ilustra proximidade com o choro

Reza a lenda que o grande lampejo de Luiz Gonzaga aconteceu na zona. O sanfoneiro mudara-se para o Rio, em 1939, visando a seguir carreira de músico. E como todo recém-chegado, esforçava-se para esconder os traços matutos. Vestia-se como os malandros do Mangue, o bairro quente da capital, onde tocava com frequência, e praticava arduamente o sotaque carioca, a fim de aniquilar o nordestino. Entretanto, um grupo de estudantes cearenses, frequentadores de um dos bares do Mangue, notou o sotaque sertanejo na forma com que o futuro mestre tocava as valsas e tangos da moda. Pediram-lhe que tocasse alguma coisa "lá do Norte", e o músico, instigado e encabulado, ao mesmo tempo, resolveu emendar, em sua apresentação seguinte, duas composições que lembrava de sua infância. Pé de Serra e Vira e Mexe, dois dos clássicos de sua discografia instrumental, relíquias de sua infância em Pernambuco, tempo em que acompanhava seu pai, foram o estopim.

ROBERTO NASCIMENTO, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2012 | 02h10

A casa veio a baixo. "Peguei o pires (para recolher as moedas)", disse Luiz. "Na terceira mesa, o pires já estava cheio. Aí eu gritei: 'Me dá um prato!' Daqui a pouco o prato estava cheio. Aí pedi uma bandeja. E pensei: agora a coisa vai."

O depoimento é citado no prefácio do novo livro Tem Sanfona no Choro, organizado pelo músico Marcelo Caldi e lançado pelo Instituo Moreira Salles. Tem Sanfona no Choro ilustra, através de partituras e um ensaio de Fernando Gasparini, a conexão entre o choro na produção de Luiz Gonzaga. As partituras são completas com cifras, e acompanham um CD, em que Caldi toca algumas composições. O ensaio discute a importância do choro nos primeiros anos de gravação, antes do sanfoneiro decidir lançar-se como cantor e alcançar o sucesso com Asa Branca e outras.

No início dos anos 40, sua eureca boêmia desencadeou uma série de conquistas - gravações de rádio, uma vitória no programa de talentos de Ary Barroso - e, por fim, fez o músico compreender tanto a riqueza de sua herança quanto o valor de sua arte tinha para milhões de migrantes nordestinos, que se lembravam da terrinha ao ouvir suas gravações.

Mas a transformação de Luiz Gonzaga em Rei do Baião se daria mais tarde. As composições transcritas ressaltam o talento como compositor e o brilho virtuosístico de Luiz Gonzaga. Ouça a gravação original, por exemplo, da mazurca Véspera de São João. Trata-se de seu primeiro lançamento, mas a maturidade completa do instrumentista já havia sido alcançada. Os floreiros virtuosísticos e a estrutura de choro da peça ilustram a proximidade que o Rei do Baião tinha com o gênero instrumental.

"A magia de Gonzaga foi traduzir para a urbanidade o sotaque e as melodias desse pequeno instrumento de recursos limitados, mas tão criativamente explorado pelos que fazem a festa nos bailes e forrós na roça. Como gênero tipicamente urbano, o choro, por sua vez, encontra na sanfona uma forma de se expandir para as paisagens rurais", escreve Gasparini. Essa expansão se dá, nitidamente, em Vira e Mexe, composição tradicional, meio maxixe, quase baião, de cunho virtuosístico, com a qual Gonzagão chamou a atenção do público no bar do Mangue.

Na época, início dos anos 40, o choro vivia sua fase áurea. Pixinguinha já era santo entre os músicos e conjuntos como o histórico regional de Canhoto acompanhavam os cantores da gravadora RCA/Victor. Assim, sua proximidade com os craques do gênero se deu no estúdio. Dino 7 Cordas e Meira, dois dos mestres do violão brasileiro, já integravam o regional e foram incumbidos de acompanhar o pernambucano. A amizade veio fácil. Meira, por exemplo, também era de Pernambuco e se identificava com o sanfoneiro de origem humilde.

"Podemos assim imaginar o ambiente criativo e alegre instaurado a partir do encontro do sanfoneiro com a fina flor do choro carioca; e quanto isso contribuiu para a gestação e o nascimento do baião. O choro foi, de fato, o berço que recebeu a sanfona nordestina no Rio, o portal sonoro que ofereceu as condições para Luiz Gonzaga desenvolver e expressar a sua genialidade. Enquanto gênero urbano, o baião nasceu ao lado de cavacos, bandolins e flautas e se criou no ambiente e no convívio com os chorões", escreve Gasparini.

As composições instrumentais de Luiz Gonzaga não dividem sucesso de sua obra cantada. Mas a importância dessas peças e gravações para a evolução da sanfona na música brasileira é seminal. Sem o sotaque nordestino dos choros de Luiz Gonzaga, não haveria, por exemplo, Sivuca ou Hermeto Pascoal, os dois grandes discípulos do sanfoneiro de Exu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.