Livro é relançado na esteira do sucesso do filme

Roald Dahl era maluco por doces. Em sua infância, passava horas cobiçando a vitrine de uma loja de chocolates caseiros perto de sua casa. Por essa época, duas fábricas de guloseimas disputavam a preferência popular na Inglaterra, a Cadbury e a Rowntree. Como se descobriria depois, a espionagem industrial rolava solta em ambas, obrigando os donos a contratar detetives para seguir seus funcionários, suspeitos de roubar receitas. Logo se vê que Dahl não precisou usar muito a imaginação para criar seu livro infantil mais popular, A Fantástica Fábrica de Chocolate, agora relançado pela editora Martins Fontes na esteira do sucesso do filme de Tim Burton. Embora com ligeiras modificações no original - a inclusão do personagem do pai de Willy Wonka, por exemplo -, o filme é bastante fiel ao livro, que sofreu alterações da primeira edição (1964) para a segunda (1973) por força das críticas dirigidas a Dahl. Entre seus detratores, mais de um crítico chegou a acusar Dahl de racista e colonialista, por retratar pigmeus de uma floresta selvagem como felizes escravos do dono de sua fábrica de chocolate. Para quem não conhece a história, o solitário e voluntarioso Willy Wonka, maior fabricante do mundo em sua categoria, descobre que os pigmeus de Lumpalópolis, chamados de umpa-lumpas, adoram cacau. Justificando a fama colonialista dos ingleses, Wonka atrai os pigmeus para sua fábrica, manda todos os funcionários caucasianos para o olho da rua e passa a explorar o trabalho escravo quando ameaçado de falência pelos concorrentes que roubaram suas receitas. Os gulosos umpa-lumpas seriam, então, maus exemplos de servidão voluntária para a criançada, segundo os críticos. Em sua defesa, Willy Wonka poderia alegar que não arrastou nenhum umpa-lumpa para a sua fábrica. Às crianças que o visitam ele revela como foi o encontro com o chefe da tribo e sua oferta para atrair os pigmeus: pagar seus salários em chocolate. No novo filme, tentando convencer o lúmpen Charlie a herdar seu doce império, o milionário Wonka apela ao pequeno com o infalível argumento paternalista: "Quem, afinal, vai cuidar dos umpa-lumpas quando eu estiver morto?" É certo que Tim Burton não fez de seus pigmeus vítimas da globalização nem metáforas dos imigrantes nanicos do Terceiro Mundo, explorados por gigantes do Primeiro, mas sua versão é bem mais sinistra que a de Mel Stuart (de 1971) com Gene Wilder. Primeiro, a exemplo de Roald Dahl, Burton nunca teve pudor em ceder ao dualismo infantil. As crianças egoístas, gulosas, invejosas e desobedientes são punidas com severidade. No filme, como no livro, das cinco convidadas a visitar a fábrica fechada de Wonka - bunker industrial que desperta a curiosidade de todos - apenas uma, Charlie, escapa dos castigos impostos pelo perturbado proprietário. Charlie é pobre, bom e solidário. As outras quatro crianças que acharam o cupom dourado (garantia de acesso à fábrica) são criaturas da ´ruling class´, monstros dominados pela ganância e maldade. Saem punidas da traumática visita. Esse cupom, signo da distinção, acaba por se revelar uma indesejável passagem para o inferno. Burton não reprime seu sadismo gótico. Já o filme antigo com Gene Wilder, roteirizado por Roald Dahl e abjurado pelo próprio autor, era apenas uma fantasia musical sem chances de leitura política ou filosófica. O de Tim Burton, até pelas referências explícitas a Stanley Kubrick (a barra de chocolate que vira o monólito de 2001, uma Odisséia no Espaço), permite vôos mais altos. O do elevador transparente usado por Wonka, por exemplo. Ele se move em todas as direções, mas o dono da fábrica só tem coragem de ensaiar uma escala ascensional ao lado de Charlie, como se essa viagem para o céu fosse permitida apenas aos humilhados e ofendidos. O monólito vira, no filme de Burton, o signo do mistério que separa os mortais de um território inexpugnável (o paraíso de chocolate de Wonka, interdito como o paraíso perdido). Seguindo o exemplo de Dahl, o mérito de Burton é tratar de temas profundos com a simplicidade das crianças. Nele há lugar para o humor, o grotesco, a crueldade e o absurdo. Ambos, livro e filme, criaram uma ponte onde antes existia um abismo: o da comunicação entre gente graúda e miúda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.