Livro do papa reflete sobre vida e morte

Poesia, oração, filosofia eteologia se confundem nas 40 páginas do novo livro de João PauloII, apresentado nesta quinta-feira na sala de imprensa do Vaticano pelocardeal Joseph Ratzinger, prefeito da Congregação da Doutrina daFé e braço direito do papa na defesa da ortodoxia da Igreja. "É um texto belo e tocante, mas não é de fácil leiturae compreensão", advertiu Giovanni Reale, o professor deliteratura que analisou Tríptico Romano - Meditações, comparandoseus poemas com outras obras de Karol Wojtyla, hoje com 82 anos,entre elas uma coleção de poesias publicadas com pseudônimo. Tríptico Romano - título inspirado no formato dequadros/altares feitos em três partes, podendo as duas lateraisser dobradas sobre a central - foi escrito em polonês no anopassado, após a viagem do papa a Cracóvia e arredores, em suaterra natal. Antes mesmo de ser traduzido para o italiano, alemão,francês e inglês, versões que já estão disponíveis, o livro vendeu 300 milexemplares na Polônia, onde o texto veio acompanhado de um CDcom a recitação dos poemas por um ator popular. Na apresentaçãode hoje, o ator italiano Nando Gazzolo leu alguns versos. Como o tríptico da arte medieval, também o livro sedivide em três partes. Na primeira, Wojtyla volta ao cenário dassuas aventuras de alpinista. Na segunda, refletesobre a vida e a morte, a partir da pintura de Michelangelo naCapela Sistina, onde foi eleito papa em 1978. A última parte éuma meditação sobre o patriarca Abraão, a quem Deus pediu osacrifício do filho Isaac - episódio que, para ele, é um símboloda paixão de Cristo. "É bom lembrar que Wojtyla escreveu poemas durantequase 40 anos", observou Giovanni Reale, em resposta àquelesque estranham essa volta de João Paulo II à poesia. Ninguémesperava por esse livro, como lembrou o porta-voz do Vaticano,Joaquín Navarro-Valls, relatando uma conversa de cinco anosatrás. "Esse é um capítulo encerrado de minha vida", respondeuentão o papa, numa de suas excursões aos Alpes, quando lheperguntaram se voltaria a fazer versos. Autor de quatro obras sobre teologia e espiritualidade,publicadas entre 1960 e 1976, João Paulo II lançou dois livrosdepois que foi eleito papa - Cruzando o Limiar da Esperança(1994) e Dom e Mistério (1996). Uma coleção de poemas queescreveu enquanto vivia em Cracóvia foi publicada em 1980, naPolônia. Como em textos anteriores, poesia, religião e filosofiase misturam nas páginas de Tríptico Romano. "O eixo dascomposições do poeta Wojtyla coincide com o do filósofo Wojtylae com o do teólogo", disse o Reale. O professor anunciou que até o fim do ano será lançado olivro Metafísica da Pessoa, com toda a obra filosófica de JoãoPaulo II. Antes de ser arcebispo de Cracóvia, ele deu aulas defilosofia e de teologia na Polônia.

Agencia Estado,

06 de março de 2003 | 19h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.