Reuters
Reuters

Livro digital que conta a história do Pussy Riot é lançado na Rússia

Banda também ganhará documentário, que estreia no Festival de Cinema de Sundance em janeiro

Efe,

29 de novembro de 2012 | 18h06

Editoras russas colocaram à venda nesta quinta-feira, 29, o primeiro livro digital autorizado sobre o grupo punk Pussy Riot, que ganhou notoriedade, após protagonizar uma oração ao presidente Vladimir Putin, no principal templo ortodoxo do país.

O livro Pussy Riot: a história autêntica (em livre tradução) narra a história da formação do conjunto, a preparação e a realização do ato na catedral do Cristo Salvador, além do processo contra as integrantes, segundo o site Slon.ru, que editou a obra, junto com a FastBook Project.

"A autora Vera Kichanova, escreveu o livro a partir de lembranças, entrevistas com as integrantes do grupo e outras pessoas ligadas às jovens", cita nota enviada pela editora.

O livro digital pode ser adquirido na loja eletrônica Litres.ru, enquanto quem for usuário do iPad podem comprar o livro através do aplicativo da FastBook Store. A obra, no entanto, só está disponibilizada em russo.

Além de o livro começar a ser vendido, nesta quinta-feira foi divulgado que um documentário sobre o Pussy Riot estreará em meados de janeiro na abertura do Festival de Cinema Independente de Sundance.

As Pussy Riot ficaram conhecidas em 21 de fevereiro, quando cinco integrantes do grupo invadiram, encapuzadas, uma área restrita do altar da catedral do Cristo Redentor, o principal templo ortodoxo do país. Depois disso, começaram a tocar instrumentos musicais, cantar e dançar vestindo apenas roupas íntimas.

"Mãe de Deus, leve Putin", dizia a canção, cujo vídeo foi divulgado na internet e no qual acusava o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill, de acreditar no presidente da Rússia e não em Deus.

 
Tudo o que sabemos sobre:
Pussy Riot

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.