Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Divulgação
Divulgação

Livro destaca trajetória do artista Fernando Lemos

"No fundo, sou o mesmo quando faço fotografia, quando pinto e quando escrevo: sou um gráfico. É um pouco a experiência do texto automático do surrealismo." Assim o artista português Fernando Lemos, que vive no Brasil desde 1953, se define em entrevista que concedeu a Carlos Augusto Calil e publicada no livro Fernando Lemos - Percurso, a ser lançado nesta quinta-feira, 31, pela Bei Editora, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, en São Paulo. Como já diz o título da edição, a obra abrange 60 anos de carreira do artista de várias vertentes - designer gráfico, fotógrafo, desenhista, pintor, tecelão, gravador, muralista e poeta.

AE, Agência Estado

31 de março de 2011 | 10h42

Em Portugal, ainda, no fim da década de 1940, Fernando Lemos (nascido em 1926) começou a fotografar, criando o que muitos consideram um dos ramos mais prolíficos de sua trajetória. A partir daquele momento, o do movimento surrealista português, "ele foi ímpar em saturar o real por meio da sobreposição de fragmentos do próprio real", já definiu o crítico Paulo Herkenhoff. É famoso o autorretrato do artista (1949/52), em preto e branco - no qual se faz uma nuvem sobre sua cabeça (e na fumaça se misturam uma faca, cartas, uma lâmpada e papéis) -, como também os retratos de seus amigos intelectuais - como a poeta Sophia de Mello e o pintor Vespeira. No Brasil, também, Lemos continuou fotografando e, assim, podemos ver nesse novo livro belos retratos das escritoras brasileiras Hilda Hilst e Lygia Fagundes Telles e dos artistas Hércules Barsotti e Willys de Castro (todos de 1954/55), por exemplo.

Mas "Fernando Lemos - Percurso" abre mais o leque de visadas pela obra do artista. Como escreve a historiadora de arte Margarida Acciaiuoli em texto presente no livro, ocorre sempre o risco de se entender a fotografia como a "criação suprema da obra" desse artista. Como ele mesmo afirmou em 2010, "a criatividade, no fundo, é a única salvação do homem". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fernando Lemos - Percurso - Editora: Bei (300 pág. R$ 150). Livraria Cultura. Av. Paulista, 2.073. Tel. (011) 3170-4033. Hoje, 18h30.

Tudo o que sabemos sobre:
livroFernando Lemos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.