Livro de memórias de Ashley Judd revela solidão e abuso sexual

A atriz Ashley Judd, de 42 anos, revela em um livro de memórias uma infância solitária e dolorosa, que incluiu abuso sexual e pensamentos de suicídio numa época em que sua mãe, Naomi Judd, e a irmã Wynonna tentavam construir uma carreira de estrelas da música country.

REUTERS

05 Abril 2011 | 19h25

Em excertos do livro "All That Is Bitter and Sweet" (tudo que é doce e amargo) e em uma entrevista num programa de TV, nesta terça-feira, Judd falou de como se sentia negligenciada e dos abusos emocionais quando constantemente mudava de casa com a família, que era uma lenda do country.

"Minha família de origem, na qual nasci, estava também cheia de amor, mas não era um sistema familiar saudável. Havia muito trauma, abandono, drogas e vergonha", escreveu a atriz, famosa por "Risco Duplo", no livro de memórias publicado nesta terça-feira.

Judd diz no livro que foi molestada por um amigo da família, quando era adolescente, testemunhou comportamento sexual inadequado entre a mãe e seus namorados, e drogas estavam constantemente disponíveis em casa.

Muitas das lembranças, incluindo vezes em que ela brincou com a arma da mãe depois da escola e pensou em atirar em si mesma, estavam reprimidas e vieram à tona quando Judd se submeteu a psicoterapia, em 2006.

Judd disse ao programa "Today" que o objetivo de seu livro é explicar melhor o trabalho humanitário que faz pelo mundo, envolvendo mulheres pobres e maltratadas em bordéis, favelas e campos de refugiados.

(Reportagem de Jill Serjeant)

Mais conteúdo sobre:
GENTE ASHLEY JUDD LIVRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.