Livro de García Márquez, por US$ 350

As memórias de Gabriel García Márquez chegarão finalmente às livrarias. O primeiro volume de Vivir para Contarlo (Viver para Contar) será publicado na Colômbia no próximo mês. Fora da Colômbia, o leitor pode participar de uma promoção válida até o dia 10. Paga US$ 350 pela assinatura da revista Cambio e Inter-Cambio, por um ano, e ganha um exemplar autografado pelo escritor. Para o público residente no país, sai mais barata a promoção da Cambio, revista da qual García Márquez também é proprietário: US$ 62. Estes serão os primeiros exemplares de Vivir para Contarlo em circulação. Partes do livro foram publicadas pela Cambio. Nelas, García Márquez lembra de sua infância e de alguns dos mais importantes momentos da história da Colômbia na primeira metade do século 20. "A vida de uma pessoa não é o que lhe aconteceu, mas sim o que ela se lembra e como ela se lembra", diz o escritor na introdução de suas memórias. O livro parece ser uma mistura de biografia com episódios novelescos e fantasiosos. Um deles é o caso do casamento de sua mãe, Luisa Santiaga Márquez, com Gabriel García, em 1926. Luisa Santiaga dormiu além da conta e chegou 40 minutos atrasada ao próprio casamento. Espera-se um grande movimento em torno da publicação do livro, que já começou com elogios do ex-presidente Alfonso López Michelsen. Ele disse que o livro "será o mais delicioso lançamento literário do ano". García Márquez tem hoje 74 anos. Ele recebeu o prêmio Nobel de Literatura em 1982. Sua obra máxima é Cem Anos de Solidão, em que apresentou ao mundo a cidade imaginária de Macondo e sua infinita teia de histórias. García Márquez começou a publicar romances aos 23 anos, com La Hojarasca, ao mesmo tempo em que se dedicava ao jornalismo. Ele escreveu outros clássicos da literatura latino-americana, como O Amor nos Tempos do Cólera, O Outono do Patriarca, Crônica de Uma Morte Anunciada e Ninguém Escreve ao Coronel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.