Livro confirma que paixão por futebol vem da infância

Um tema popular e diversos autores. Os organizadores do recém-lançado A Cabeça do Futebol (Editora Casa das Musas), Carlos Magno Araújo, Samarone Lima e Gustavo de Castro convidaram colaboradores de formação variada para escreverem sobre futebol. O resultado é a prova de que a criança está sempre à espreita para ressurgir no adulto quando o assunto é colocado em campo. Muitos dos 28 textos são intimistas, embora fujam à ficção, e dão tom nostálgico ao livro. A referência à infância confirma que é de menino que se aprende a amar o futebol.

AE, Agencia Estado

10 de junho de 2009 | 11h48

A partida inesquecível em geral não é final de Copa do Mundo, mas vale tanto quanto. Ou mais. Pode ser um Ceub X América-RN disputado em 1975, em Brasília (No Tempo de Jacaré e Pablito Calvo, de Carlos Magno Araújo), ou Santos X Ponte, na despedida de Pelé (O Dia em Que Virei Santista, de José Roberto Torero). Quem sabe um tradicionalíssimo Fla-Flu (O Jogo, de Moacy Cirne), ou um duelo com a carga dramática de Fla X Vasco (Ele Sempre Será, de Rubens Lemos Filho).

A figura paterna é forte também. Afinal, reza a lenda que a primeira experiência em um estádio de futebol costuma ser conduzida pelas mãos do pai. Pai que pode também ir ao campo só para proteger o filho da mira de esbirros do autoritarismo (?A ditadura não é mais forte do que o amor de um pai?, de Juca Kfouri). Outras análises minuciosas também são conferidas pelos jornalistas Luiz Zanin Oricchio, em Futebol; e Daniel Piza, com Bola de Meia. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
literaturaA Cabeça do Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.