Livro celebra os 50 anos do BNDES

O presidente Fernando Henrique Cardosoparticipa amanhã do lançamento do livro 50 anos deDesenvolvimento - BNDES, contando a história do País desde afundação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, em 1952, pelo presidente Getúlio Vargas, até hoje, quando é aprincipal alavanca dos empreendimentos privados e/ou estatais. Afesta acontece às 17 horas, na sede do banco, no centro do Rio,encerrando o seminário que faz um balanço desse período."O Banco nasceu da convicção de que o país não podiadepender somente de recursos externos para avançar seu projetode renovação da infra-estrutura e assim melhor competir nomercado internacional", diz o presidente na apresentação. Elecontinua. "O mercado tem um papel essencial a cumprir nageração de riqueza, de inovação, mas não dá respostas a todas asperguntas.O próprio estabelecimento do BNDES inspirou-se, decerta forma, nessa preocupação."O livro complementa duas exposições realizadas este anopara contar a história do Banco, mas vai além do simplesregistro econômico, ao costurar fatos sociais, políticos eculturais com a atuação da instituição. Para o presidente doBNDES, Eleazar de Carvalho Filho, não poderia ser diferente."Começamos atuando na infra-estrutura básica- o primeirofinanciamento foi construir a ligação ferroviária entre Rio, SãoPaulo e Belo Horizonte- e hoje atuamos em todos os setores, domicrocrédito à exportação de aviões", diz ele. "Com esse livro, contamos como se deu a industrialização do País e nosso papelnesse processo. A Usiminas, por exemplo, é o melhor exemplo denossa atuação. Foi criada há 50 anos e a primeira empresa a serprivatizada nos anos 90."Mas 50 Anos de Desenvolvimento - BNDES não é umaobra de ou para economistas. Ricamente ilustrado, fala emlinguagem simples e abrangente dos principais acontecimentosbrasileiros da última metade de século. A pesquisa durou um anoe envolveu não só material fotográfico, mas depoimentos de 50economistas que trabalharam na instituição, inclusive todos seusex-presidentes. As principais correntes do pensamento brasileiroestão lá, de Maria da Conceição Tavares e Roberto Campos(fundador do banco), de Carlos Lessa a Francisco Gros (openúltimo presidente, hoje na Petrobras), de Celso Furtado aJoão Paulo Reis Velloso (que serão homenageados com uma placa nafesta de lançamento).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.