Livrarias valorizam espaços culturais

Ir ao teatro, ao cinema ou ao museu para abastecer a biblioteca caseira. Em alguns espaços culturais da cidade, os freqüentadores já podem se divertir e também rechear a estante, como é o caso do Teatro Ruth Escobar. Desde terça-feira, funciona lá a Livraria do Teatro, inaugurada pela Callis Editora.Depois de uma reforma geral, a área surge decorada com grafites assinados pelos artistas plásticos Arthur Navarro, Gabriel Aretz e Paulo Ito, e com o desejo de ser um pólo de atividades culturais. "É uma livraria normal, mas por causa do tipo de público está mais voltada a livros de arte", diz Miriam Gabbai, diretora editorial da Callis."A idéia é fazer um espaço em que o autor possa estar próximo do público." Foi o que ocorreu na primeira noite de autógrafos promovida no local, na terça-feira, em que o australiano Roger Green lançou o livro Feng Shui para o Hemisfério Sul e deu palestra na sala Miriam Muniz. A livraria oferece 400 títulos, não só ligados à dramaturgia. "Nossa idéia é ser o mais abrangente possível." Já na livraria do Espaço Unibanco, que funciona desde 1996, o forte são os títulos sobre cinema. "Também há livros sobre teatro, poesia, músicas, arte e até best-sellers e romances", informa Ronaldo Rangel Rodrigues, gerente da livraria.Na loja da Pinacoteca do Estado, os livros de arte são a grande atração, com um detalhe: alguns títulos só estão à venda lá. Esse é o caso das publicações editadas pela própria Pinacoteca, como O Álbum de Afonso, coletânea de fotografias feitas pelo historiador Afonso de Freitas, do começo do século, das principais demolições da cidade entre 1905 e 1913, antes dos projetos das grandes avenidas. Também são exclusivos O Artista da Luz, de Rubem Valentim, A Casa do Vaticano 2, entre outros títulos. Já no Museu de Arte Moderna (MAM) e no Masp é possível visitar as lojas-livrarias independentemente da entrada nos museus. No MAM, há obras relacionadas a fotografia, arquitetura e arte, além de catálogos de exposições antigas e em cartaz. Algumas boas compras são os livros Patrimônio da Humanidade do Brasil (R$ 110) e As Mais Belas Igrejas do Brasil (R$ 110), ambos da editora Metalivros (R$ 110). Um dos destaques do Masp é a coleção do acervo do museu, com quatro volumes (R$ 160). O MuBE - Museu Brasileiro da Escultura, também oferece um vasto cardápio de livros de arte. Quem preferir pode comprar os títulos na feira de antiguidades realizada aos domingos na área externa do museu, onde a loja-livraria tem uma banquinha, com títulos que registram a história dos grandes nomes das artes plásticas, além de catálogos de exposições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.