Little Italy: o que vale a pena é a pizza

O Little Italy ganhou um novo ambiente, mais claro e caprichado e continua tendo nas pizzas o seu ponto mais forte, o que apenas confirma o retrospecto, pois um dos donos, Miguel Pascoal, tem longa tradição no ramo - foi o fundador da primeira e saudosa Micheluccio, que fez história na cidade. Os pratos variados, massas e risotos não comprometem, mas ficam em um nível consideravelmente inferior. Miguel Pascoal espalhou casas com o nome Micheluccio até fundar com Flávio Cateb o seu Little Italy, em 1995, na esquina da movimentadíssima Avenida Rebouças com a mais tranqüila Rua Lisboa. O barulho da rua não chega a incomodar, pois a casa é bem isolada. Já o barulho interno é um pouco exagerado. Mesmo com a casa não muito cheia, ele era notável na acepção do termo.O restaurante e pizzaria passou por uma grande reforma recentemente, ficou mais gostoso com paredes num tom claro, pátina, móveis antigos também em pátina, colunas de tijolos aparentes e teto de madeira com as luzes embutidas. Mesas com cadeiras de vime, toalhas de plástico com outras de tecido. Nas paredes, interessantes pinturas acrílicas com imagens estilizadas de torcidas de futebol. Quadros dos artistas Fábio Luiz Eluf e N. Moutinho. A casa pretende mudar as exposições a cada dois meses. O cardápio tem nas pizzas os seus destaques. São 25 pizzas, das tradicionais às modernas, sendo a de mussarela a mais barata (R$ 12,30 a individual e R$ 18,20 a grande) e a Castelões a mais cara (mussarela coberta com calabresa, R$ 15,20 a individual e R$ 24,90 a grande). A cozinha propõe quatro entradas quentes (entre R$ 6,90 a bruschetta e R$ 10,30 a alcachofra primavera); oito saladas e entradas frias (entre R$ 8,80 o palmito com molho golfe e R$ 14,10 o carpaccio Little Italy e a salada Chinatown, com kani, mussarela, palmito, alface e cenoura ralada); nove massas (entre R$ 13,70 o talharim bella donna com molho de tomate fresco, orégano, alcaparras, azeitonas verdes e manjericão e R$ 17,20 o cappelleti com espinafre e nozes); três risotos (entre R$ 17,70 o de shitake, funghi e champignons frescos, de Paris, e R$ 18,70 o de siri); três peixes (entre R$ 20,70 a pescada branca enrolada com recheio de champignons, tomate seco e molho de mostarda e R$ 23,30 o linguado italiano, ao molho de uva Itália com amêndoas e champignons); quatro carnes (entre R$ 18,90 o medalhão romano, grelhado com ervas e acompanhado de risoto à milanesa e R$ 22,80 o filé mignon ao molho de catupiry) e quatro frangos (entre R$ 15,20 o frango à la Kiev e R$ 17,90 o frango ao molho de mostarda). A casa oferece ainda a combinação de nove massas com oito molhos. As massas ficam entre R$ 9 o spaghetti e R$ 10 o ravióli. Os molhos custam entre R$ 4,20 o de tomate e manjericão e R$ 5,80 o de funghi secchi). Nos almoços de domingo, um bufê com saladas, frios e quatro pratos quentes (R$ 14,90). Couvert a R$ 3,10. A cerveja Bavária Premium (300 ml) custa R$ 3,40, a Bohemia (600 ml), R$ 3,80, refrigerantes e águas minerais saem a R$ 2. Pizza imbatível - A pizza de mussarela continua ótima e justificou tranqüilamente a visita. Massa gostosa, crocante, fina mas com as laterais altas (cornecchione), assada no ponto certo, com um molho de tomate delicioso e mussarela de primeira, bem derretida. Essa pizza é básica, assinala a qualidade geral.Normalmente, nos pratos conhecidos, provados pelo público e que são servidos em muitas cantinas, a cozinha não brilhou tanto. Bruschetta tradicional, de tomate com manjericão gostosa. Não tão boa a de maionese com tomate e queijo ralado. Gordurosa demais.Entre as massas, delicioso o ravióli de tomate seco e rúcula e fraco o talharim com polpettine. Talharim passado demais, mole, molho de tomate excessivamente ácido e bons os pequenos croquetes (R$ 13,60, sendo R$ 9 o talharim e R$ 4,60 o polpettine).Risoto de Parma feito com presunto cru, rúcula, tomate seco e aspargo fresco muito saboroso, mas com arroz mole, muito além do ponto (R$ 18,10). Executado corretamente o escalope de filé de frango empanado com recheio de queijo roquefort - empanado sequinho, gostoso. Razoável a versão do Little Italy para o paillard com fetucine - filé mais espesso que o comum com um molho de champignons e vinho branco; fetucine ao triplo burro cozido demais. Carta de vinhos bem fraca. Nada apropriadas, as taças de vinho não valorizam a bebida. Um detalhe desabonador. Serviço atencioso, mas meio amador. Os garçons insistiam em encher demais as taças, como se estivessem querendo vender mais uma garrafa de vinho. Café expresso correto.Little Italy - Rua Lisboa, 35, tel.: 3061-0374. De segunda a sexta, das 12 às 15 h e das 18 à 0 h. Às sextas, até à 1h. Sábados, das 12 às 16 h e das 18 à 1 h. Domingos, das 12 às 16 h e das 18 à 0 h.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.