Literatura de Tabajara Ruas ganha as telas

Ele é um artista multimídia.Romancista, folhetinista, diretor de cinema. Tabajara Ruas vivena capital catarinense, numa casa cinematográfica debruçadasobre a Lagoa da Conceição. Trabalha num escritório que se abrepara um dos cartões-postais mais bonitos do Brasil. Ruas preparao lançamento do filme que co-realizou (com Beto Souza), NettoPerde Sua Alma. A estréia já ocorreu no Sul. Capta parapromover o lançamento no centro do País. Simultaneamente,escreve o roteiro do novo filme, inspirado no amor de GiuseppeGaribaldi e da jovem Anita. E saboreia o que não deixa de ser umtriunfo. Ruas teve, até aqui, sua obra publicada por editorasgaúchas. Agora, a Record está lançando a totalidade da obra doescritor. Seus seis romances incluem títulos como A RegiãoSubmersa, Netto Perde Sua Alma, Os Varões Assinaladose Perseguição e Cerco a Juvêncio Gutierrez - escolhidopor numerosos críticos como uma das obras-primas da literaturaproduzida no Rio Grande. Justamente Os Varões e Juvêncio Gutierrez são ostítulos que ainda faltam sair pela Record. Os outros já estãodisponíveis. Entre eles, dois sairão este ano em Portugal: ARegião Submersa, que será uma reedição, e O Fascínio. Abiografia de Taba, como é conhecido, daria um livropossivelmente tão movimentado como os que escreveu. Estudante deArquitetura, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tevede fugir do País ao entrar na mira da repressão do regimemilitar. Foi primeiro para o Chile de Salvador Allende. Com aderrubada do presidente chileno, asilou-se na Europa, maisexatamente na Dinamarca, onde realizou um antigo sonho e cursoua faculdade de cinema. Foi roteirista em Portugal e lá lançou"A Região Submersa". Com a anistia, voltou ao Brasil edesenvolveu a carreira de escritor - agora também cineasta - quelhe deu projeção. No Sul é considerado um grande autor. Areedição de sua obra pela Record talvez amplie o círculo deadmiradores. Taba poderá ser reconhecido no Brasil inteiro comoum dos grandes escritores do País, na atualidade. Alguns de seus livros mais conhecidos tratam de temasépicos. A história do General Antônio Netto atravessa as guerrasCisplatina, dos Farrapos e do Paraguai. Os VarõesAssinalados trata da Guerra dos Farrapos, episódio tambémconhecido como Revolução Farroupilha, um dos mais polêmicos dahistória do Estado, quando os gaúchos do século 19 fundaram aRepública Rio-Grandense, tentando emancipar o Rio Grande do Suldo Brasil imperial. Luiz Fernando Verissimo é um dos maioresadmiradores de Taba. Elogia não apenas seus dotes de narrador,mas também a acuidade da visão crítica. Os livros de Tabamostram o reverso da grande História, mesmo quando tratam dessasfiguras que fazem parte da lenda - Netto, Bento Gonçalves,Garibaldi. Ao receber a reportagem em sua casa, Taba estava nocomputador. Contou que trabalhava num roteiro original - sobreum grupo de mulheres durante os anos de chumbo da ditadura -quando recebeu o convite dos produtores Rubens Gennaro eVirgínia Moraes, donos da Laz Audiovisual, uma empresa deCuritiba. A Laz produziu Oriundi, o filme de Ricardo Bravoque trouxe ao Brasil o veterano Anthony Quinn. Não foi umaexperiência bem-sucedida. O filme, fraco, decepcionou nabilheteria, mas não desanimou a dupla de produtores. Elescomeçaram a captar para uma série de TV baseada na mítica AnitaGaribaldi, a heroína de dois mundos, que ligou seu nome àshistórias do Brasil e da Itália. Resolveram transformar a sérienum produto para cinema e chamaram Taba. "Não podia recusar um convite desses: os personagenssão fascinantes, há um produtor para tratar dos assuntos dedinheiro, vou poder me concentrar só nos problemas da direção.Como dizer não?", explica. Assim como se voltou para aRepública Rio-Grandense em Netto, Taba vai tratar agora daRepública Juliana, que durou pouco mais de cem dias, quando osfarroupilhas ocuparam Laguna, em Santa Catarina, em busca de umasaída para o mar. Será uma história de amor. O aventureiroitaliano Giuseppe Garibaldi, de 27 anos, apaixona-se pelalagunense de 18, que larga do marido para segui-lo. "Devia seruma mulher extraordinária", diz Taba. "Fazer uma coisa dessashá 150 anos era impensável numa sociedade patriarcal." Taba sonha com uma atriz jovem e bonita para o filme quedeve rodar este ano, possivelmente no começo do segundosemestre. E espera, graças a uma parceria com os italianos -Anita é idolatrada na Itália -, conseguir um ator jovem que sedisponha a viajar ao Brasil para fazer, por pouco dinheiro, oestrangeiro que a seduziu. Garibaldi foi personagem de numerososfilmes produzidos na Itália. "É uma daquelas figuras maioresque a vida", define. "Acho que não será difícil conseguir umator talentoso e, de preferência, não muito conhecido no Brasil,para fazer o papel."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.