Reuters
Reuters

Lindsay Lohan poderá evitar prisão apesar da condenação por furto

Mesmo condenada a 120 dias por violar a liberdade condicional após o furto de um colar, atriz pode cumprir pena em casa

Efe,

04 de maio de 2011 | 16h03

Los Angeles (EUA), 4 mai (EFE).- A atriz Lindsay Lohan tem a chance de se manter longe da prisão, apesar de ter sido condenada a 120 dias por violar a liberdade condicional após o furto de um colar, depois que as autoridades rebaixaram a gravidade do crime, informou nesta quarta-feira o jornal Los Angeles Times.

O caso de Lindsay foi transferido dos escritórios do promotor do condado à procuradoria da cidade de Los Angeles em audiência na decisão da juíza Stéphanie Sautner da Corte Superior ao considerar a apropriação da joia em janeiro como uma infração leve em vez de uma infração grave.

A defesa da atriz negocia atualmente um acordo em uma nova sentença com as autoridades locais que faria com que a jovem de 24 anos pudesse passar os dias de prisão previstos em sua casa, usando um dispositivo de monitoramento para localizá-la constantemente.

Lindsay voltará aos tribunais para concluir o processo no dia 11 de maio, data prevista para a apresentação na Corte de um acordo com a procuradoria.

No dia 23 de abril a atriz foi sentenciada por Sautner a 120 dias de prisão e 480 horas de serviço comunitário por violar sua liberdade condicional vinculada à condenação anterior por dirigir alcoolizada em 2007.

A artista foi denunciada em janeiro por uma joalheria de Venice Beach, em Los Angeles, pelo furto de um colar que posteriormente devolveu.

A atriz já começou a cumprir sua sentença colaborando em programas sociais em um centro de mulheres de uma das zonas mais pobres de Los Angeles, enquanto ainda está previsto que parte desses trabalhos incluirá tarefas em um necrotério de Los Angeles. EFE

Tudo o que sabemos sobre:
furtoLindsay Lohan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.