Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Lilia Moritz Schwarcz critica declarações de Roberto Alvim

'Quem namora com o nazismo é porque quer colher tempestade política', afirma a antropóloga e historiadora

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

17 de janeiro de 2020 | 16h18

A antropóloga e historiadora Lilia Moritz Schwarcz foi uma das primeiras pensadoras a desmontar o discurso do ex-secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, que tentou afastar seu discurso do do ministro nazista Joseph Goebbels. Veja a entrevista.

Como você avalia a essência do discurso de Alvim no vídeo de anúncio do novo plano de cultura?

Não há piada alguma no fato do então secretário especial da Cultura citar o poderoso Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler, sob uma música de fundo de Wagner, cabelos colados na cabeça e uma cruz ortodoxa da Hungria na lateral. A alusão é ofensiva a todos os cidadãos brasileiros. Inaceitável. Quem namora com o nazismo é porque quer colher tempestade política. É preciso que nossas instituições democráticas repudiem com veemência a esse tipo de paralelo histórico. Como dizia o escritor Primo Levi: “não quero viver num mundo em que as ideias desses homens estejam vivas”.

Alvim reagiu dizendo que foi uma coincidência retórica e que não citou ninguém. Mas, ao Estado, ele disse que “a origem é espúria, mas as ideias contidas da frase são absolutas perfeitas e eu assino embaixo”. Como você comenta isso?

Não há coincidência. A estrutura das frases é idêntica, não é possível se repetir um parágrafo inteiro sem ser proposital. Uma coisa é a coincidência, a outra é uma citação - o que foi, no caso. O significado se faz em contexto. Na live que fez com Bolsonaro, Alvim disse que ia apoiar projetos conservadores no plano de cultura. Não contente, falou sob um fundo musical de Wagner e ao lado de uma cruz ortodoxa húngara, que foi usada pelos nazistas húngaros e que hoje é uma referência a um país com um papel tremendamente conservador.

Você mencionou, em um comentário no Instagram, que ditaduras começam aparelhando a área cultural. Nesse sentido, o quão preocupante é a situação atual?

É preocupante o aparelhamento da cultura. Regimes ditatoriais começam atacando artistas, queimando livros, defendendo projetos culturais populistas. Ou se corrompe a grande arte ou se promovem artistas muito engajados com o governo. Esse projeto cultural proposto pelo Alvim tem uma clara definição de projeto político a que essas pessoas candidatas deveriam seguir. Um projeto conservador. É um atentado à nossa Constituição, ao nosso direito de cidadão, enfim, um projeto muito perigoso. É um projeto que não prepara o cidadão para a crítica, mas para que siga o governo de forma passiva.

A citação sobre Wagner poderia levar àquela discussão em que a obra de um grande artista deveria ser avaliada apenas pelas qualidades, independente do contexto histórico?

Essa discussão é importante, sobre arte e política. Não acredito que os artistas vivem em uma bolha e não dialogam com seu contexto. Mas, nesse caso em particular, não falamos de uma ode ao Wagner - aliás, gosto muito de ouvir sua música. Aqui, o fato de o ex-secretário se apresentar no vídeo entre uma bandeira e uma cruz húngara, e fazer um discurso em que ao menos um parágrafo é uma citação de  Goebbels, não nos permite fazer uma análise isolada da beleza da música de Wagner.  Não estamos para julgar a música, mas o uso que o ex-secretário fez de Wagner.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.