Fredik von Erichse/EFE
Fredik von Erichse/EFE

'Life and Death', de Mo Yan, é crônica histórica com pitadas de surrealismo

Livro apresenta 'um romance engenhoso e investido de um senso de humor cáustico e convoluto'

Vinicius Jatobá,

11 Outubro 2012 | 12h17

É impossível avaliar um escritor tão prolixo a partir de um livro, mas se toda a obra de Mo Yan seguir a mesma toada de Life and Death Are Wearing me Down, é possível que a Academia Sueca esteja colaborando para maior difusão de mais um grande talento narrativo obscuro. O ceticismo pessoal diante do Nobel de Kertèsz e Jelinek foi o mesmo, mas logo obras-primas como Fiasco e A Pianista confirmaram o acerto sueco.

Life and Death é um romance engenhoso e investido de um senso de humor cáustico e convoluto. A trama é simples: o fazendeiro Ximen Nao é assassinado logo no início da revolução comunista chinesa. Crente que foi um homem honrado e honesto, espera encontrar merecido descanso.

Contudo, é condenado a retornar até que seu espírito encontre iluminação. O arco do livro, meio século da história recente chinesa, abrange uma série de hilárias reencarnações de Ximen - como jegue, porco, macaco, cachorro, entre outros -, até que finalmente retorne como homem.

O humor do livro nasce da forma como em cada reencarnação Ximen assume algo do “pensamento” dos animais. Como toda grande peça humorística, precisa de ao menos dois personagens fortes, Ximen encarna sempre como posse de um irascível antigo empregado. Parte do humor está em como esse antigo empregado não consegue “entender” o que Ximen, encarnado, quer lhe dizer e alertar. Life and Death é uma satisfatória mistura de crônica histórica com surrealismo e mitologia.

VINICIUS JATOBÁ É CRÍTICO LITERÁRIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.