Imagem Leandro Karnal
Colunista
Leandro Karnal
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Liderança

Todo líder do século 21 pode aprender com a excelência e inventividade jesuítica

Leandro Karnal, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2019 | 01h30

Meu amigo Pedro Salomão, otimista incurável, presenteou-me com o livro Liderança Heroica – As Melhores Práticas de Uma Companhia Que Há Mais de 450 Anos Vem Mudando o Mundo, de Chris Lowney (edições de Janeiro). O autor é um ex-jesuíta que trabalhou como diretor na J.P Morgan & Co por muitos anos. O foco do livro: resgatar o modelo de liderança jesuítica para tentar traduzir os atributos desejáveis aos que exercem comando no mundo contemporâneo. 

Uma empresa, a Companhia de Jesus, dura mais de quatro séculos e atinge o mundo todo. O “case” é fascinante. Poucos anos após sua fundação, ela está em lugares remotos da Ásia ou da América e já exerce enorme influência na educação europeia. Expansão gigantesca e originalidade na condução da liderança justificam a escolha. 

A autoconsciência dos membros orientados a partir de rigorosa seleção e a prática dos exercícios espirituais e exames diários podem ser passos iniciais para explicar o sucesso dos jesuítas. A confiança na autonomia de cada um dos inacianos, a capacidade inventiva de se adaptar a culturas locais e um compromisso com a excelência completam parte do quadro. A ação de Inácio e suas escolhas, do sucessor Laínez, dos notáveis Matteo Ricci, Cristóvão Clávio, Francisco Xavier, Bento de Goes, Roberto de Nobili e Johann Adam Schall von Bell são, até hoje, impactantes. Atravessar a Ásia por lugares até hoje desafiadores, aprender línguas locais e produzir boas obras na nova cultura, adaptar o Cristianismo ao mundo hindu, chinês ou japonês? Tornar-se referência em astronomia ou matemática em toda a Europa? Sempre havia um jesuíta para personificar as questões anteriores. 

O livro faz pensar de várias formas. Nunca tinha feito uma ligação entre as habilidades jesuíticas de adaptação cultural e a presença de cristãos-novos na ordem. O geral Laínez, o ex-franciscano Henrique Henriques e, igualmente, nosso amado José de Anchieta: todos tinham ancestrais judeus e se destacaram na capacidade de adaptação cultural. Seria herança de uma tradição de multiculturalismo e poliglotismo tão comuns à comunidade judaica? 

Claro, o livro é de um defensor da ordem. A distinção entre um historiador profissional e um entusiasta de uma ideia é a modulação da narrativa. Os jesuítas do livro funcionam como no filme A Missão: podem divergir entre si, mas sempre são épicos na dedicação e compromisso com os indígenas. Lowney faz um contraponto entre o modelo de liderança maquiavélica e o da Companhia de Jesus. Talvez o abismo diminuísse levando em conta a participação jesuítica no tráfico negreiro, o enriquecimento extraordinário da ordem, as manipulações políticas obtidas com o papel de confessores de reis e tantas outras questões. A Companhia é de Jesus, todavia os membros são humanos e, como toda instituição humana, reúne o traço insuperável que nos une como espécie: a contradição. 

Sempre acho que a análise de “cases”, tema tão caro a interessados em liderança e administração, ganharia muito se analisássemos os grandes fracassos ao lado dos sucessos. O movimento de pessoas e de instituições é muito mais um elaborado passo de dança com voltas, idas e vindas do que um reto e decidido marchar de tropas em linha reta. A impressão de movimento progressivo contínuo é sempre dada pela narrativa. No século 18, 20% de todos os estudantes europeus estavam em instituições superiores guiadas pelos padres da Companhia. Como escreve o autor, os jesuítas tinham se tornado a “espinha dorsal” do ensino católico. Extraordinário para a obra de um fundador que aprendeu a ler bem em latim já maduro e que não tinha colocado colégios como prioridade no ato de fundação. O autor indica os riscos da expansão quase incontrolável de colégios, do fato que as novas gerações de professores se tornaram menos inovadoras por terem mais a perder à medida que o valor agregado dos colégios jesuíticos crescia. Tudo está indicado no livro, sim, não obstante os riscos e danos da ousadia não estejam integrados de forma orgânica à própria ambição inicial do fundador. Todo império morre em função da sua dinâmica interna de expansão e o apogeu é imbricado na sua decadência. 

Há inúmeras reflexões úteis e densas sobre o fenômeno daquele rarefeito grupo de estudantes em Paris ter tido o destaque histórico que a Companhia de Jesus obteve. Há personagens de uma riqueza única que mereceriam filmes e análises. Ao lado das medidas revolucionárias de Inácio e de gerações de outros padres, caberia pesar com a mesma régua a não conversão massiva dos japoneses, indianos e de chineses, apesar dos esforços de adaptação cultural e das concessões imensas. Os indígenas tutelados pela Companhia na América foram escravizados ou mortos. Dos notáveis colégios e universidades, emergiram intelectuais assombrosos e, igualmente, lideranças como Fidel Castro, Voltaire ou Bill Clinton. Imaginar que todas as críticas tenham nascido exclusivamente da incapacidade do mundo em captar a excelência do projeto inaciano é, pelo menos, uma visão parcial. Todo líder do século 21 pode aprender com a excelência, heroísmo, autoconsciência e inventividade jesuítica. Há muito para imitar no campo inaciano. Todo líder também deve pensar em fracasso, supressão, implosão do projeto e riscos da ousadia. Isso ajuda igualmente. Pensar modelos humanos é sempre uma fuga de polarizações. Boa semana para todos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Igreja Católica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.