Líder muçulmano paga por ofensa a escritora

Um poderoso clérigo muçulmano na Índia ofereceu dinheiro a quem pixar de preto o rosto da escritora feminista Taslima Nasrin. Ela é de Bangladesh e vive na Europa desde 1994 por ter sido ameaçada de morte depois de publicar seu primeiro livro. Taslima está na Índia para o lançamento de seu quarto romance. O clérigo Syed Noor-ur-Rehman Barkati disse que vai "dar 20 mil rúpias (US$ 440) a qualquer um que pixar seu rosto ou puser ao redor dela uma guirlanda de sapatos". Estas são consideradas as ofensas gravíssimas na Índia. O livro Lajja, de Taslima, é o responsável pelas ameaças. Muçulmanos de Bangladesh se sentiram ofendidos com o livro, pois acharam que a história os retratava como bêbados. A escritora não falou a jornalistas desde sua chegada à Índia. O líder muçulmano de Calcutá que ofereceu dinheiro a quem ofendê-la disse ainda que Taslima é "iletrada e má. Ela não sabe nada do Islã. Então, por que dá-se a ela tanto respeito?", disse.Por coincidência, a mesma ameaça está sendo feita na Índia a outro escritor muçulmano. Salman Rushdie, autor de Versos Satânicos, está no país em férias. Mas sua ida para lá não foi bem aceita por indianos muçulmanos. Um protesto de rua reuniu cerca de 100 pessoas em Bombaim. Os manifestantes pediram a morte de Rushdie. Um deles disse que também está sendo oferecida uma ?recompensa? de 100 mil rúpias para quem pixar de preto o rosto de Rushdie.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.